quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

O prémio (Poema, Amor sente-se no verso da poesia)


O prémio ...Vejam se não é um voucher bem apetitoso...
:)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Simples imagens, reflexão profunda


 
Há um não sei quê de tocante em imagens simples, no que à elaboração diz respeito. Contudo, são as mais motivantes. Apenas uma deixa: um menino sentado, pensativo, olhar ao alto, no meio da floresta, com ouvintes atentos, uma aura quase envolvendo a imagem bucólica...Indutora de reflexão? Claramente!
Quem nos ouve, nos dias de hoje? Fiquei motivada para agitar mentes...
Odete Ferreira

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Por hoje...

Hoje estarei em atividades literárias...Um bom dia a tod@s e um ótimo FdS (o sol, pelos meus lados, deve ter apanhado gripe, está recolhido para que, daqui a uns dias nos possa brindar com os seus raios luminosos...Calma, sei que a chuva devia vir primeiro, mas podiam-se entender...Sol de dia, chuva durante a noite. Seria perfeito! :)
(Não tenho tempo para arranjar uma imagem também perfeita...Fica a intenção!)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

X Factor Australia - Emmanuel Kelly (LEGENDADO PT)

Já é tarde...Não é habitual fazer postagens no blogue a horas destas...Mas afinal para que servem as minhas horas, se vendo este vídeo (postado num grupo de discussão a que pertenço) o deixasse para postar daqui a uns dias, deixando que a última postagem fosse bem apreciada por quem me visita? Este jovem merece ser ouvido e referido como exemplo de força. Afinal, a minha última postagem não passou de um fait-divers...

Os anos passam...


Os anos passam, frase que ouvimos tão frequentemente que soa a um pois, ou a um gesto maquinal, como o de colocar os óculos de sol, ou até a um sorriso de conveniência...
Não sou exceção. Dia 17 de Fevereiro contei mais um. Sem dramas. Com surpresas agradáveis. Com mimos (mensagens carinhosas, um poema dedicado, uma cartinha - atenção, eu não os informei, não é meu hábito - dos alunos com aquela letrinha imberbe e uns corações desenhados...). Mas giro foi uma prenda de uma amiga e colega. "Fui à florista, estava fechada. Lembrei-me das minhas couves e lá fui eu cortar uma e envolvê-la num laço vermelho. Na sala de professores toda a gente achou piada, além do mistério...). Quando cheguei e fui  presenteada com a bela couve penca, foi risota geral e mais umas coisitas de que não vale a pena falar...
Deixo-vos uma foto com dois presentes. Qual escolheriam? Relembro que estamos em tempos de carência...


Prosseguindo a narrativa, na caixa de correio, um aviso para visitar um blogue de um grupo poético. Nem mais: a amiga Ana Bárbara Santo António escrevera um poema à minha pessoa dedicado, postara-o no meu mural e nesse grupo: por sua vez o grupo "Abrigo Poético" postou-o no seu blogue http://abrigopoetico.blogspot.com/search?updated-max=2012-02-19T14:59:00Z&max-results=10


 Concluindo, agradeci individualmente todas as mensagens escritas e , no passado domingo, alinhavei estas palavras, em forma de poema. Aqui as deixo para a posteridade...
 
Agradecida estou…

Assinalado mais um ano
marcado no calendário.
Dia de aniversário!

Bafejada em mimos,
parabenizada por amigos
foi dia de felicidade.

Simpatia retribuída,
sorrisos aos molhos
em laços de seda apertados.

Alma vestida de festa,
coração em dádiva partilhada
mente em sonho desperta.

Momentos sonolentos.
Repouso.
Leito apetecido.
Cansaço.
Adormeço.
Olhar fecundo,
filho pródigo
abraçado
em orgulho…
Obrigada, amigo!                              OF (Foto, autor desconhecido)

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Amor sente-se no verso da poesia

Bem, este poema é só para fazer inveja, mas que está lindo, está!!!

Escreveste amo-te
com a mais fina das areias
que envolvem o mar irrequieto,
sussurradas por lábios finos,
cheios de cálida ternura
e olhar emotivo.

Não duvidei, eras sincero
como são os momentos
dos seres enamorados
em comunhão de afeto.

A manhã fria
tornou-se radiosa.
O nevoeiro, envergonhado,
desapareceu por magia.
O sol ainda tímido
sorriu em ousadia
para lá da colina.
A lua já adormecida
doou a luz prateada
no beijo desejado.

Apaixonado, deixou-se ficar
nas bocas sequiosas
conjugando o verbo a-mar.

Não foi um poema de amor
mas um amor em poema.
Não tem tipologia definida!
Amor é. Acontece na vida
e sente-se no verso da poesia!

OF 14-02-12
Pintura – My sweet rose, John  Williams Waterhouse
http://www.worldartfriends.com/pt/club/poesia/amor-sente-se-no-verso-da-poesia

ADENDA: então cá vai a explicação, agora que arranjei um tempinho, visto o governo não ter  obrigado toda a gente a ir trabalhar! Divulgo alguns poemas em grupos poéticos, como sabe quem aqui passa. Num deles, havia um desafio: postar um poema sobre o dia de S. Valentim. Uns dias antes escrevi-o (não fosse ter depois falta de tempo). Foi o poema com mais "gostos". Ganhei um jantar para dois num restaurante lá para a zona da capital...O que vale é que tem um prazo de 6 meses, senão não valia a pena aproveitar esta "romântica" oferta... Daí eu falar em "inveja" no início da postagem!!! Se fiquei contente? Claro!!! :)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Revista ao corpo, minha casa

Passei em revista
o corpo, minha casa.
Pensei encontrar
tudo em desordem…

Comecei pelo exterior,
partes mais visíveis
membros,tronco,
pescoço e rosto.

Não havia pressa…
Verifiquei, apalpei, mirei.
Nada notei…
Em desordem!

Virei-me para o interior…
Apelei aos meus sentidos,
sentinelas de percepções
que extravasam sensações.

Senti o sangue correr…
Sem obstáculos, nas veias.
Sosseguei…

Detive-me atentamente
em outros compartimentos:
sala de visitas,
quartos…
Tudo a meu olhar
parecia repousar…

Donde vinha a inquietação
da mente,
do coração?
Sentia-me contente
mas algo clamava atenção.

Seria a alma em suspenso
de visita inesperada?
Certamente que queria
estar bem enfeitada
para receber o imprevisto.

Lavei-a em cheiros de rosa
que colhi no meu jardim.
Retirei qualquer espinho
que a pudesse magoar.

Perfumada e sorridente
sussurrou ao meu ouvido:
acalma-te, não faz sentido
tanta preocupação.
Respira fundo,
deixa-te levar, de mansinho.
Adormece, aconchegada,
no teu ninho,
de sonhos possíveis
e rico de carinho
quando te dás, em sorriso.

Segui o conselho…
Nada havia em desalinho.

Saio de dentro de mim.
Viro-me para a natureza
que contemplo na sua beleza.
A paz instalou-se, fora de mim…

O conselho ficará
qual sinal postado no caminho.
Assim afastará
a tentação de consertar o meu destino!

OF 19-02-2011
Foto Carlos Alvarenga
(Ainda sem a aplicação do acordo ortográfico.)
http://www.worldartfriends.com/pt/club/poesia/revista-ao-corpo-minha-casa

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Recado de Maria da Conceição Tavares para os jovens economistas

Até parece que deixei a escrita...Não! Continuo a escrever quase diariamente. Mas tenho andado tão "apoquentada" com os senhores donos da verdade, que "inventam" teorias complicadas, que vale a pena ouvir esta senhora e a sua "descomplicada" ideia de economia... Não sou da área, mas interesso-mo pelo social, pelas pessoas. Por isso as políticas económicas me são tão caras!!!


(Pausar MixPod)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Por falar em piegas...

Bem, já que da fama não nos livramos, lembrei-me de "baralhar" um pouco as coisas...Com este vídeo!
video

(Pausar MixPod)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Antologia Inverno - Novidades

 Divulgo, na íntegra o texto sobre o andamento da Antologia Inverno. Para quê mais palavras?

NOVIDADES!

A Antologia Inverno - Acordando Sonhos será editada conjuntamente com um DVD onde poderão ver , como num filme, os poemas seleccionados para a realização dos vídeos.
SURPRESA!!!!!!!! :)))) .


Envio a capa em anexo, o miolo está já está concebido e pronto para ser enviado impressão.
Contamos ter a Antologia Inverno - Acordando Sonhos - disponível para venda no espaço de um mês, e já com o DVD que acompanha o livro, produzido e realizado pela Pastelaria Studios Editora.

É uma nova forma de apresentar ao público uma Antologia de Autores.
Contamos com poesia, prosa poética , pequenos contos e textos temáticos
Autores portugueses, brasileiros, espanhóis e Argentinos , bem como um poema que chegou até nós, vindo da Indonésia.

A Antologia Inverno - Acordando Sonhos - terá cerca de 110 páginas de texto.
O formato será de 210 x 150.
O DVB será colocado, em envelope, dentro do livro na contra-capa.

A Antologia Inverno, ficará disponível para venda ao público no site da Pastelaria Studios.com, bem como no site da Faces Editora ( Brasil). Estará também disponível no site da Wook, Bertrand e Amazon.com.
Toda a divulgação, promoção e venda será feita, essencialmente, através da internet.

Contamos organizar um lançamento da Antologia. ainda com local a definir, e desde já....aceitamos as vossas sugestões :) ...afinal , a Antologia é vossa!!

Qualquer dúvida, questão, sugestão, sorriso ou reclamação ...estamos por aqui !
Obrigada pela sua participação neste trabalho, que nos deu muito prazer realizar.

Até breve
um abraço

(Esta surpresa foi-me enviada por e- mail e também postada na minha página do FB, domingo. Acrescentando o feliz momento da captação das imagens de gelo, sendo muito apreciadas, podem imaginar o meu contentamento...Vá sorriam comigo!!!)

domingo, 5 de fevereiro de 2012

"Museu do Gelo" - algures no distrito de Vila Real

 
  

Criei um álbum de fotos na minha página pessoal do FB, apelidando-o de  "Museu" do gelo, pois as fotos retratam partes da entrada de uma quinta habitável,  mais parecendo a entrada para um museu de gelo. Dir-vos-ei que foram vistas por muit@s amig@s, havendo quem as partilhasse, tal a beleza!


   
 

 Algum enquadramento: um sol radioso, estrada bem transitável...Eis senão quando
me deparo com esta maravilha!

 Paro o carro e, antes de tirar as fotos, pergunto a um senhor que tentava arranjar o contador da água, o que se passara.
 




 Com o frio e gelo o contador tinha-se estragado e a água que jorrou, presumo, toda a noite, ocasionou estas maravilhas, das quais vos deixo apenas uma mostra...

  
Sorte a minha e sagacidade "jornalística" !!!
É raro não trazer a máquina fotográfica comigo, até porque muitas fotos servem-me para ilustrar os meus poemas.
  
Obrigada a tod@s! O título, apenas uma brincadeira!!!!
 

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.344621488891765.81167.100000317509648&type=3

Odete Ferreira em 04-02-2012

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Obrigada, Abrigo Poético!

 Quem me lê no blogue sabe que também divulgo alguns poemas em grupos poéticos. Aliás, há uns dias escrevi um post onde deixava vários links...
Foi mais uma agradável surpresa! O Abrigo poético criou um blogue onde vai divulgando poemas, biografias e outras novidades. Pois bem, já lá está algo da minha pessoa enquanto "escrevinhadora"! Fica o link...

 http://abrigopoetico.blogspot.com/p/bibliografia.html

(Agradeci, naturalmente, a consideração deixando um comentário. Procuro seguir o blogue, tarefa que não é fácil, pois a sua administração não brinca em serviço!)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Podia ter acontecido!

Caminhavam lado a lado. O jardim florido, arborizado, os bancos desertos. Tudo tão presente, belo, esperando a atenção merecida. Contudo, as pessoas passavam, concentradas em si mesmas e nem um olhar afável se lhes dirigia…
- Mas afinal entendes-me? Sabes o que penso, o que sinto?
Esperava, pelo menos, um leve sinal de assentimento.
- Vês, parece que nem me ouves! Puro de-sin-te-re-sse! – concluiu marcando as sílabas numa vaga esperança de o acordar daquela letargia.
Desta vez pareceu-lhe que os lábios iriam pronunciar algo parecido a um “estás enganada”. Mas nenhum som foi audível. Seriam fantasmas de si próprios? Perpasssou-lhe a ideia de estar a caminhar sozinha. Que a sua mente projetava uma companhia. Olhou para trás para se certificar se via a sombra que, certamente, o sol ardente faria desenhar no passeio onde espreitavam parcas relvas ressequidas. Sim, havia uma sombra. Atreveu-se. Estacou e postou-se à sua frente, enlaçando-o.
- Por favor, diz alguma coisa! Esse mutismo é atroz. Exaspera!
- Que queres ouvir? – volveu quase rispidamente.
Emudeceu. Desconcertada ouvia o silêncio em que as suas palavras se haviam transformado.
Amedrontada, afastou-se ligeiramente. Um vago receio do que poderia ser dito, devolveu-lhe a consciência do papel ridículo que estava a fazer. Tinha de sair daquela cena.
- Corta! O guião não previa esta deixa!
Estugou o passo, saiu do cenário mas ainda vislumbrou, de soslaio, o outro personagem sentar-se num banco do jardim postiço, sorrindo estupidamente. Pelo menos assim lhe pareceu…

Odete Ferreira 22-01-2012
http://www.worldartfriends.com/pt/club/prosa/podia-ter-acontecido