quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Faltou arrojo a este outono


                                                         Obra de Brad Kunkle

Não me fica bem este rio embrumado.
Nota-se escorrendo de minhas faces pálidas.
O vermelho desbota-se no pregueado.
Marcas perenes de noites outrora cálidas.

Vestiu-me esta noite de folhas em recorte.
O sorriso, este sorriso iluminado,
acrescentou-o o sol ao seu fino porte,
num amanhecer pálido e envergonhado.

Procuro o rosto dos sentidos outonais.
Mas cega àqueles indícios subversivos
que, vós, sábia natureza aclarais,
toldam-me somente de uivos compulsivos.

Perdi-te num intenso sonho diluvial
vergastado  pelos deuses da intempérie
ainda não sei se foi providencial,
um outono assassino de almas em série.

Por entre veredas selvagens e estreitas,
quotidiano sem poética visão,
carecem as utópicas cores escorreitas
Um outono velho, tímido de emoção.

Onde pára a natureza que me encantava,
o colorido de telas inconfessáveis,
as encostas macias onde te afagava,
os leitos floridos de segredos palpáveis?

Sei que a resposta está na espera tranquila.
Na paradoxal ânsia de alma intranquila.
Os tons outonais ficaram presos nas filas.
Ergue-te! Faz-te tela nas minhas pupilas!

OF, 24-09-14

20 comentários:

  1. Desejos de vestes fantasiadas em contraste com realidades oferecidas.

    Há que saber olhar e ser-se!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Oi, Odete!
    Tão dolorido que beira o angustiante, no entanto, a esperança permanece presente!
    A transformação do sofrimento em arte ou fazer uso das circunstâncias como matéria-prima é transformar o negativo em positivo; é dar um toco no conformismo!
    Beijus,

    ResponderEliminar
  3. A Natureza tudo aclara. Ela tem todo o tempo do mundo.
    Mas as cores do outono dependem bastante do nosso olhar, que vai ficando diferente ao longo do tempo.
    O poema é excelente. Tu já nem fazes por menos, pois essa qualidade é uma constante na equação das tuas palavras.
    Tem um bom resto de semana, querida amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Realmente...um Outono que precisa do acrescento de um sorriso luminoso para disfarçar a palidez das manhãs, um Outono ele próprio envergonhado nos seus próprios predicados.
    Os deuses estarão, como sempre a marimbar-se para uma suposta ordem natural das coisas, e atropelam-se a fazer das suas. Só nos resta, como ao Outono, esperar por essa tela do seu traje original.
    Um belo poema, com uma fluência e sentido rítmico extraordinários, neste caso com esse aroma de desencanto pela ausência do verdadeiro Outono.
    Primoroso, Odete! Gostei muito.
    xx

    ResponderEliminar
  5. É difícil nos contentarmos com uma tela desbotada quando nossos olhos já se iluminaram diante de uma natureza pintada com grande e natural beleza. Se o bronze outonal deixou a desejar, não há como vesti-lo adequadamente. A natureza é por demais independente para se quedar aos desejos de nosso sedento sentir. E nem um apelo doído e poético, tão rico e encantado como o seu, será por ele atendido. Sempre muito belos os seus versos. Bjs.

    ResponderEliminar
  6. OI ODETE!
    EU PARTICULARMENTE ACHO O OUTONO DE UMA BELEZA ÍMPAR, MESMO QUANDO OS AMANHECERES PASSEM A SER PÁLIDOS E ENVERGONHADOS E TU NA CERTA TAMBÉM, SE TE INSPIROU ESTE TEXTO MARAVILHOSO, EMBORA SAIBA QUE A INSPIRAÇÃO É TUA COMPANHEIRA CONSTANTE, POIS TEUS TRABALHOS ENCANTAM, SEMPRE.
    ABRÇS AMIGA E FICA COM DEUS.
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Depois de longa data voltei a postagem,
    que parei de fazer devido a não concordância
    de uma poetisa não gostar por eu postar
    repetidas vezes o mesmo poeta ou poetisa.
    Eu resolvi atender os pedidos que recebo até hoje
    a cerca de mais de um ano ,
    quando resolvi parar com postagem.
    Depois de compreender que devo fazer aquilo ,
    que eu gosto , amigos e amigas gostam
    da minha maneira de ser e de amar meus amigos (as)
    seguidores.
    Espero de coração que você tenha gostado,
    os blogs onde ñ tiver poema colocarei de amigas (as)
    poetas e poetisas dessa forma todos terão sua vez de
    entrar na postagem também.
    No caso de livro com assuntos diferentes também será feito
    uma postagem com igualdade para todos.
    Deus abençoe seu final de semana.
    Felicidades é tudo que desejo.
    Beijos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  8. Um belíssimo quadro outonal, onde mesmo sem o fulgor do fogo que pinta o verde , vibra o desejo da cor que arde na memória de outros outonos.
    Excelente poema.
    Beijos. D

    ResponderEliminar
  9. Por aqui não temos as estações definidas como aí. Sempre sonhei em ver as folhas amareladas em tons variados e só pude realizar há poucos anos. Foi inesquecível... como é esse seu poema que, afinal, esperança em verde.
    Beijuuss Odete

    ResponderEliminar
  10. Agora que troveja e chove, quer-me parecer que faltou arrojo à primavera para já não falar do verão.

    Beijinhos e boa semana, querida!

    ResponderEliminar
  11. Odete , na sua escrita me encantam as metáforas . Muitas vezes falta ousadia aos outonos . É uma pena . Agradeço sua partilha , sempre . Beijos e boa semana

    ResponderEliminar
  12. Um diferente e belo elogio ao outono...

    bjo amigo

    ResponderEliminar
  13. Voltei e reli.
    Fiquei ainda mais maravilhado.
    Boa semana, querida amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  14. Oi minha amiga, tenho tentado comentar aqui nesse post a dias e não tenho conseguido, minha cabeça não esta lá essas coisas, mas prometo que voltarei.
    Sendo assim venho te agradecer pelas idas e vindas em meus blogs. Vc esta sempre presente. Muito obrigada mesmo de coração! Podes deixar não mudarei o meu estado de espírito.Não retrocedi, fiquei mais na sombra devido aos meus probleminhas, mais valeu a ida, valeu ver gente diferente, valeu a pena apenas por ter saído de casa.Preciso me espelhar na minha neta Evellyn, já viu o sorriso que ela dá?
    Bjss e fica com Deus Odete.

    ResponderEliminar
  15. Já o tinha apreciado noutro local. Está muito bem conseguido, amiga. O Outono é, como se vê, uma incomensurável fonte de belas inspirações
    Um abraço matinal de parabéns.

    ResponderEliminar
  16. Falta sempre arrojo ao Outono
    (belo título)

    Talvez porque uma tarde entardecida
    seja quase sempre, sensivelmente, nostálgica,
    quase sempre retraída, pelo sei próprio movimento

    Enquanto o verso, espera

    Bjo. amigo

    ResponderEliminar
  17. Amiga, depois deste poema grandioso de intervenção,
    luminoso pelo teu sentir saudoso, o outono ficará com vontade
    de ampliar as tonalidades e se expressar na tela,nem que seja na
    tua tela imaginária a colorir teu olhar e prontamente pousar
    folhas vestidas de palavras que se fazem poesia...
    Adorei colher este poema! A imagem é belíssima...
    Beijinhos,querida.

    ResponderEliminar
  18. Outono velho? A tua sensibilidade o renovará através da emoção da tua bela poesia!

    Querida Odete , enorme abraço :)

    ResponderEliminar
  19. É sempre um momento de encantamento ler e reler os vossos enriquecedores comentários.
    Este outono antecipado apanhou-me desprevenida.
    (Suzete querida, perco horas a pesquisar obras de pintores que se enquadrem no poema. Por vezes tenho sorte. Foi o caso!)
    Meu beijo, querid@s amig@s :)

    ResponderEliminar
  20. A Natureza do Outono é transmitir melancolia e preparar a chegada do velho senhor. Veste-se de cores magistrais, apela ao aconchego dos Fogos e despe-se para hibernar todo o seu tempo. Depois...
    Bela Poesia, Odete.
    Parabéns.



    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar