quarta-feira, 10 de junho de 2015

O Tempo e o Homem


Num qualquer lugar,
num tempo filho de pais incógnitos,
deserdado de rosto identificativo,
nasceram olhos de voos
ignorando o mito do pecado.
Ovos chocados de intempéries devastadoras,
campos de batalha onde
espermatozóides da vergonha
se calaram e outros se ousaram
na fecundidade do pai sol
e no ventre de uma lua feiticeira.

Não sei do tempo da viagem,
tampouco de descobertas galáticas
ou (e)videntes seres de olhares visionários.
Sei de histórias de sobreviventes
contadas ao luar coado do telhado
e pelo homem do saco que descia
chaminés escurecidas das fogueiras.

Sei deste tempo e de tempos nascedouros de homens.
Imperfeitos na penumbra de manhãs redentoras.
Selvagens na poeira das cavalgadas desenfreadas
permitiram outro tempo,
a liberdade de procriar humanidade.
Sabiam que não era o paraíso,
pelo menos aquele de que ouviram falar.
Permitiram o veneno mortífero
de atos e omissões inconfessadas.
Mas pediram ao Tempo que revogasse
as leis de infortúnios letais.

E deixaram que os pássaros seguissem viagem…

OF – 11-05-15  - Pintura de Adiasmachado, Arnaldo Macedo e Adriana Henriques
(Poema escrito a partir desta pintura para a 2.ª edição de "As Cores da Poesia")



22 comentários:

  1. O tempo vem mostrando-nos a sabedoria da ignorância, da mutação eterna, das palavras que se sobram.

    A reler e beber tuas letras.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Com o tempo não se brinca.....
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  3. O tempo...grande cura, e grande dano...
    Bela postagem!!! Belo poema!!!
    Tenhas uma boa noite!!!

    Beijos e beijos

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  4. ~~~
    ~ Não foi fácil, Odete!
    ~ Uma pintura que sugere muitas interpretações!
    ~ Gostei da sua e, especialmente, da conclusão inspirada na maçã alada...

    ~ Foi importante deixarem os pássaros viajantes em liberdade...

    ~~~~~~~ Abraço amigo. ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  5. Nossa! Você fez uma leitura belíssima da tela! Criação, vida, esperança. O mundo e o início. Outras criações, nem sempre desejadas e/ou amparadas. A necessidade de vencer em um paraíso que, aqui, não nos é destinado. Esse foi o meu sentir. Bjs.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, lindo o que escreveu, no meu pensamento livre, entendo que o tempo resume-se ao momento e ao inesperado.
    AG

    ResponderEliminar
  7. Minha querida amiga
    Estou quase a regressar e nessa altura visitarei todos os blogs amigos.
    Por agora venho pedir-te um favor:
    Se não é pedir muito…vai ao meu blog, escreve qualquer coisa no espaço dos comentários, e vê se algo de anormal acontece.
    Estou preocupado porque uma amiga – MAJO – informou-me que o meu blog está com vírus.
    Depois de ler o comentário de MAJO, pedi a duas amigas – Mariazita e Tareca - que fossem lá ver o que se passava.
    Não notaram nada de anormal, e assim o escreveram em comentários.
    Mas a MAJO insiste que “tenho” vírus…
    Vai até lá, por favor, e informa-me.
    Em devido tempo te agradecerei!
    PS – Desculpa o “Copy”, mas não pode ser doutro modo.
    Um beijo
    MIGUEL / ÉS A MINHA DEUSA

    PS,PS – APROVEITO PARA DESEJAR UM ÓPTIMO FIM DE SEMANA.

    ResponderEliminar
  8. Nada como um belo quadro para inspirar a poetisa.

    Fecunda e jovem, a tua poesia.

    Deleito-me na sua releitura...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Odete , o poema foi tecido linha a linha sob seu olhar sensível e nos oferece uma leitura encantadora da pintura apresentada . Parabéns ! Beijo e boa semana .

    ResponderEliminar
  10. Oi, Odete!
    O que você descreveu, me fez imaginar nos Dias da Criação segundo o Cristianismo! E se foi isso mesmo, certamente escolhestes perfeitamente as palavras. Me apaixono mais e mais à medida que leio o que vem de seu pensamento!
    Beijos e tenha uma bela semana!

    VitorNani

    ResponderEliminar
  11. Um poema com uma imagética muito singular. Quase ligada aos ritos de criação e de passagem... Gostei imenso.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Você conseguiu, Odete, colocar num poema, muitos, muitos milênios de acontecimentos...
    Paz e Luz!

    ResponderEliminar
  13. Poema fecundado de Vida. A imagem recriada num ciclo do nascer, viver e morrer.
    Afinal, somos apenas o pó da Vida..
    Amei.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  14. O tempo, esse tirano que pensa nos poder despir da nossa capacidade criadora.
    Não, somos donos de nós.
    Voemos como os pássaros em liberdade plena.
    bj

    ResponderEliminar
  15. Amiga ma excelente escolha .
    O tempo se incumbe de tudo em nossas vidas
    existe um tempo para cada momento .
    Temos que acreditar no poder da criação.
    Amiga essa semana vou fazer aquela cirurgia que deu tudo de errado em 2014
    tenho sofrido muito ,
    mas Deus tem sempre o melhor para todos nós.
    Por isso hoje venho deixar um carinho.
    Deus abençoe sua vida beijos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  16. Que bela surpresa me fizeste ao vir me visitar no meu blog "parado".
    Obrigada por pensares em mim !
    A tua poesia continua a ser um encanto !
    Beijinhos
    Verdinha

    ResponderEliminar
  17. Ah sempre ele...o tempo! Conhece esse trava língua popular? “O Tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, o Tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo, tempo tem.” E por falar nele é que ando meio devagar com o divã...mas não deixarei de escrever não! Sua visita amiga sempre me deixa muito feliz Odete!
    Beijuuss

    ResponderEliminar
  18. Que belo e profundo o teu olhar poético para fazer uma
    leitura tão rica nos detalhes da pintura...
    O tempo e o homem, uma relação delicada nas zonas de
    conflito de forças refletidas da dualidade humana.
    Para os pássaros muito mais fácil com a sua unidade
    e liberdade de voo...

    Parabéns pelo o teu enorme talento!!
    Bjos, Querida Odete.

    ResponderEliminar
  19. A tua poesia dá-nos um ponto de fuga, obrigada por isso!

    Beijinhos , amiga

    ResponderEliminar
  20. Algo que se perdeu, algo que se procura reinventar...
    Muito bem, Odete!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  21. Um belo poema ilustrado por uma pintura magnifica.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar