quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Não invoquem o meu nome em vão

 Obra de Josephine Wall

Não me procurem
caçadores de palavras sonantes
e de imagens narcísicas.
Não encaixo nesse perfil,
fachada de edifícios hipócritas
e ruas enfeitadas de falsos sorrisos.

Não me procurem
diretos televisivos à hora certa.
Não sou deste tempo.
Sou génese inicial,
sol sem idade,
raiz primordial da palavra
num antanho por inventar.
Gesto ramificado
nos dedos da mão
e no corpo que te levanta do chão.
Leveza de espírito
encarnado em almas do além.
Batismo de águas abençoadas.
Fonte, rio, mar, emissário.
Barco solidário, arca de Noé,
torrente de atos espontâneos
paridos à luz natural,
em nome da humanidade.
E no silêncio da caminhada,
tu, que não me invocas em vão,
nomeias-me: solidariedade.
E eu vou…

OF – 18-11-15

24 comentários:

  1. Um belo poema minha amiga de que gostei de ler e reler.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Um belo poema. Intenso e rebelde. Gostei.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. O caminho da solidariedade é desconhecido de muitos, e é difícil para alguns. Tantas vezes acontece como forma de auto-promoção e não como gesto verdadeiramente sem resquício de qualquer interesse que não seja a dádiva ao outro. A dádiva anónima e silenciosa, que floresce no coração e desagua nas mãos, sem alarido. Gestos que podem fazer brotar correntes de forma espontânea, e fazer a diferença no mundo de quem recebe e no mundo de quem dá.
    Belo poema, Odete.A necessidade de regresso ao sentido primordial.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Odete, querida, que bela forma de se manifestar! A solidariedade está muito distante de bajulações e de falso afeto. Não habita a exposição e prefere o gesto silencioso, pois é assim que a ajuda se impõe e as pessoas se apresentam. realmente, humanas. Muito belo seu poema!! Bjs.

    ResponderEliminar
  5. A invisibilidade nos actos solidários é a Verdade pura. Tudo o mais não edifica nem constrói.
    Amei o "recado".

    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  6. A intensidade e rebeldia das palavras para com a hipocrisia e egoísmo da sociedade , fazem deste poema um hino a solidariedade
    Belo, Odete !
    Beijinho !

    ResponderEliminar
  7. OI ODETE!
    QUE BOM ESTAR AQUI, PODENDO LER ESTE TEXTO LINDO, DOS TANTOS QUE ESCREVES.
    ABRÇS
    -
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  8. Eu também, vou de mãos dadas contigo neste
    caminho anônimo da solidariedade
    genuína e transformadora...
    Belíssimo, aquela comunhão no voo
    do mesmo sentir ( poema que senti escrevendo contigo).
    Adorei, querida Odete!
    A imagem é linda e perfeita para o poema...
    Beijo e abraço afetuoso.

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. ~~~
      Um poema de beleza e mensagem muito singulares.

      Profundo, veemente e de admirável assertividade...

      Que bem lhe ficou o estilo grandíloquo e eloquente!

      ~~~ Beijinho, Odete. ~~~
      ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

      ~~~
      ~ Caríssimo Zé. desculpa ocupar este espaço, mas a autora deste blogue perdeu, por lapso, o meu comentário e solicitou-me que o repusesse. Tenho a certeza que compreendes. Bj.

      Eliminar
  10. Solidariedade e vaidade é o que mais se vê...
    Quando genuína, a solidariedade é espontânea e praticamente invisível.
    Este poema é notável, na forma e no conteúdo. Excelente, minha amiga.
    Odete, tenha um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  11. Um hino à autenticidade, Odete. Muito grato pelo testemunho, pela partilha...

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Bravo! A solidariedade também é uma virtude.
    Lindo, Odete.
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  13. Muito bom! A rebeldia fica bem na tua poesia. Quanto à solidariedade conta comigo.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  14. Concordo! Não invocar seu nome sem a necessidade de sua solidadriedade.
    Ou seja: "sem alarme falso, por favor"! Certo?
    Beijão, Odete!

    ResponderEliminar
  15. ODETE,

    que lindo versejar e que poema de porte maior, denso e de conteudo incontestavelmente admirável!

    Principalmente quando você diz: "Barco solidário, arca de Noé,
    torrente de atos espontâneos
    paridos à luz natural,
    em nome da humanidade".

    Nossa!!!

    um abração carioca.

    ResponderEliminar
  16. Gostaria de partilhar contigo a postagem que publiquei ontem, dia 01/12/15, no meu blog A CASA DA MARIQUINHAS/, que assinala o meu regresso à blogosfera.
    Desde já o meu “Bem hajas!”
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    PS – Desculpa o “copy & paste”

    ResponderEliminar
  17. Faço minhas as palavras da nossa amiga Majo, se me permitem


    Beijinhos a ambas

    ResponderEliminar
  18. Boa noite, como diz o 1º ministro da Grécia, " não quero um euro vosso, quero que deixem de chorar lágrimas de crocodilo" sabe o que diz com toda a razão.
    AG

    ResponderEliminar
  19. Olá Odete; Excelente poema....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  20. ~~~
    Estimada Odete.
    Como ainda não possuo blogue, contato amigos por e.mail.
    majo.d.rosado@gmail. com
    ~~ Abraço. ~~

    ResponderEliminar
  21. Ah, cá me parecia que não tinhas blog!
    è fácil...
    Experimenta.

    ResponderEliminar