quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Passagem

Obra de Brooke Shaden

“Todo o mundo é composto de mudança” – verso locomotiva de Luís Vaz de Camões, verdade incontestável, asserção sem tempo e idade, porventura a génese e marca do conceito mundo. Hoje, acrescenta-se ao discurso o adjetivo vertiginoso sempre que a mudança escapa a qualquer tipo de previsão, como se os fenómenos tivessem ADN próprio e a mão humana estivesse já condenada à morte em vida.
Um dado novo, assustador, visto vivermos a perenidade e não a caducidade.Se é certo que, ao longo do ciclo de vida humana, o instinto de passagem nos leve a preparar algumas perdas, comandando os nossos atos de esvaziamento para dar lugar a outros enchimentos, fazêmo-lo como herança do(s) lugar(es) onde estivemos.
Ontem, foi mais um dia de passagem de testemunho, rasgando registos de tanta vida profissional, de tantos lugares e de tantos rostos. São atos corajosos, altruístas. Conservar estes registos não passaria de mero egoísmo, quiçá algum narcisismo. Tão belo, tão criativo, tão avançado para o tempo… Que orgulho na repescagem de partilhas, de deslumbramentos mútuos! A par, ocorria-me, sobretudo se hesitante: tudo o que fiz foi uma espécie de doação de órgãos que se foram regenerando até ao momento em que os rostos da ensinança deles precisaram. Vivo neles, não nos registos. Elegi-os fiéis depositários, por isso nem sequer foi doloroso. Os rostos, impressos em folha A4, conservei-os. Ainda me é importante ligá-los ao nome. São identidades da minha identidade. São jovens, homens ou mulheres, que eu saiba, praticantes de boa vontade, dotados de espírito crítico.
Mesmo que muitos não se dirijam às urnas de voto para exprimir a sua vontade, sei que, na sua vida, só cabem as mudanças que dignificam as pessoas. E sei que, muitos, mas muitos, não caem facilmente na cantiga do bandido. É nesta crença que tenho um dos meus sentidos de vida.

Agora, por ali estão, devidamente empilhados, os dossiês, nus de registos. Rasgos de luz. Ressurreição. Depois da passagem…

Odete Ferreira em 10-11-16 

14 comentários:

  1. Um abraço pode ser mais
    uma transfusão de sangue
    Bj

    ResponderEliminar
  2. O esvaziamento tem uma dinâmica de movimento que retorna à origem da criação, a um novo mundo.

    BFS.

    ResponderEliminar
  3. As passagens de testemunho são sempre atos intensos e emocionantes.
    É muito bom ter essa noção do dever cumprido que ultrapassa - em muito - a obrigação do serviço público, porque para um mesre, implica relacionamentos humanos e afetividade.
    Tenho a certeza que foste exemplar.
    Muitas felicidades para o que vier.
    Terno abraço, querida amiga.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  4. Passagem... que texto bem escrito, Odete. Bem pensado. São textos assim que valem a pena ler. De grande utilidade para os que pensam em mudança, em dar uma guinada. A obra de arte muito bem escolhida!
    Beijo, amiga, uma boa semana, com muitas ideias.

    ResponderEliminar
  5. Um belo e emocionante texto minha amiga e é sempre bom fazer a passagem de testemunho com a noção e dever cumprido.
    Um abraço e bom Domingo.
    Livros-Autografados O Prazer dos Livros

    ResponderEliminar
  6. Odete , como não se emocionar com texto brilhantemente sensível ? Parabéns , amiga . Tão bom poder conhecê-la . Beijos e boa semana .

    ResponderEliminar
  7. Deve ter sido um acto intenso, essa tua passagem do trabalho. O teu texto mostra que não te foi indiferente. Gostei muito das palavras e da coragem... Parabéns.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Belíssimo e comovente este teu texto,
    uma intimidade partilhada na vestimenta
    da poesia em cada folha de afeto da tua
    história, revelando a tua competência,
    sensibilidade e inteligência.
    Parabéns pela trajetória profissional- pessoal
    (nesta passagem) e pelo talento literário mais
    uma vez evidente neste teu excelente e comovente
    texto, minha amiga!
    Bjos.

    ResponderEliminar
  9. Não sei se entendi bem o texto. Se bem entendi, há um novo rumo na sua vida, e espero que seja um rumo de alegria e felicidade.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira: na vida, de tempos em tempos há novos rumos, de facto; uns simplesmente acontecem como os dias se sucedem uns aos outros; outros necessitam de mudanças, de vária ordem. Este texto traduz diversos sentires, provocados, essencialmente, pela necessidade de libertar espaços ocupados por inúmeros dossiês que continham a minha vida profissional e que, tendo sido professora, estavam/estão ligados à pessoa que sou...
      Bjinho

      Eliminar
  10. Gostei do quadro e das palavras.
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  11. ODETE,

    as passagens , seus ritos , mudanças , precisamos de alternâncias senão cristalizamos e a dinâmica da vida se perde!

    Um abração carioca.

    ResponderEliminar
  12. Verdadeiro e perspicaz seu texto, amiga Odete!
    Por muito tempo já vividos, muitas mudanças também já registrei não em relatórios de folhas A-4, mas, em hipocampos elétricos sob circuitos neuronais. Espero que na minha derradeira mudança, haja ressurreição nos rostos alertados, tal qual o desejo no final de seu maravilhoso texto!
    Beijos, amiga. Bom fim de semana!

    ResponderEliminar