domingo, 7 de janeiro de 2018

Tributo a Alice Queiroz


    
O nosso último abraço - 5.º Aniversário da Hora da Poesia em outubro de 2016, programa de Conceição Lima, na Rádio Vizela.

    Na imensidão da festa da poesia, esperei pelo nosso momento. Disseste, depois do imenso abraço, isto anda para aqui tudo descontrolado, eu é que finjo que não é nada. Também nós fingimos, nestes últimos tempos, que não chegaria o dia da partida física. Uns, porque mais próximos geograficamente, talvez tenham conseguido domesticar a falta, mas eu, e tantos outros, que vivemos mais distantes, permanecemos num puro egoísmo, não querendo acreditar que a tua fonte de afetos pudesse ser finita!
    Faltar-me-ão novos abraços, novas palavras, novas flores… E, desta falta, só o tempo será alimento. Agora é dor, é luto. E sei que é preciso fazê-lo. Revisito-te, e revisitar-te-ei, nas palavras que escreveste e nos registos de momentos em que me permitiste entrar na tua casa-coração. Estarás sempre no meu, Alice, até que dele eu tenha consciência. Não sei que perfume era o teu, mas bastou um leve odor para que dele ficasse impregnada para sempre.
    Saudade eterna, amiga!


A Alice e o seu eterno companheiro, Rogério Barbosa, fizeram questão de estar comigo (abril de 2015) no programa  da Conceição Lima, Hora da Poesia, perfumando-me/nos...  Nas mãos da Alice, nasciam flores. Por isso, o seu livro só poderia ter um nome: Jardim de afetos

Odete Costa Ferreira, 03-01-18

(Alice Queiroz: 12-04-1942 – 01-01-2018)

13 comentários:

  1. Sem palavras que sirvam de consolo, deixo um abraço e saio de mansinho.

    ResponderEliminar
  2. "Fonte de afetos... finita"...
    Como é intenso o sentimento quando passamos por essas perdas!
    Meu abraço.

    ResponderEliminar
  3. Só o tempo promove o consolo.
    Feliz dia e feliz 2018.

    ResponderEliminar
  4. Uma sentida e bonita homenagem a Alice Queiroz. Fica a saudade eterna.
    Uma boa semana, Odete.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. A partida final de uma amiga, amante da poesia e poetisa,
    deve ter sido muito sentida e dolorosa para ti.
    Um tributo à altura das tuas recordações.
    Uma semana carinhosa e simpática, Amiga.
    ~~~ Terno abraço ~~~

    ResponderEliminar
  6. Uma homenagem belíssima,
    sentida e tocante. ..
    No perfume do afeto da amizade,
    respeito e admiração. Esta a
    estrada legítima da amizade e
    imagino como dorido se encontra
    o teu coração com a perda da
    tua amiga.
    Com mais tempo, irei buscar conhecer
    a poética da Alice Queiroz. ..
    Beijos e Abraço solidário, minha amiga.

    ResponderEliminar
  7. Bom dia, Odete, parabéns pela bela homenagem que fez para a Alice.
    Ficaram as boas lembranças perfumadas. Grande beijo!

    ResponderEliminar
  8. uma sentida homenagem que dá a noção do tamanho da perda e da amizade
    e da grandeza da tua sensibilidade e carácter

    beijo solidário, Odete

    ResponderEliminar
  9. Como é grande esse teu sentir pela perda da Alice. fica a obra num jardim de afectos. Gostei de sentir esta homenagem.
    Estive 2 meses em Coimbra, só agora vi as tuas mensagens, obrigado.
    Um excelente ano para ti e família.
    Um abraço e um bj.

    ResponderEliminar
  10. Odete , é difícil e triste a partida dos amigos queridos .
    Esta sua homenagem é belíssima e nos comove , como todos os seus textos e poemas.
    Beijos solidários

    ResponderEliminar
  11. Uma partida que nos deixou mais vazias maus sós. Alice chegava de mansinho com
    as suas flores cujo aroma era o afecto , aquando do grupo poético de que fui parte integrante . O seu jeito , o seu sorriso de mulher menina, seduzia no encanto da sua beleza. Quem convive , não se confirma facilmente com partidas que se vão adiando . Agora é dela o Espaço e é nossa, a saudade que deixou. Que fica
    Lindo tributo , querida amiga
    Abraço !

    ResponderEliminar
  12. Querida Odete

    Venho com uns dias de atraso, mas é sempre tempo de me juntar ao tributo a esta tua amigae companheira nas letras. De Alice Queiroz só conheço um poema que a Elvira publicou em tempos e dizia que não lhe tinha sido possível encontrar na Net a sua biografia. Também eu na altura e agora procurei saber mais dela e encontrei o poema "Sinais" de que gostei muito.

    De 31 de Janeiro a 14 de Fevereiro vou reeditar uma coisa a que chamo "A quinzena do Amor". Nesse período procurarei um poema de Alice Queiroz para dele fazer parte.

    Através da Palavra e nos corações de familiares e amigos ela continuará viva.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  13. Uma bela e sentida homenagem, à sua amiga... cuja perda lamento profundamente!
    Mas o seu perfume... permanecerá para sempre, amenizando a ausência...
    Um beijinho
    Ana

    ResponderEliminar