domingo, 21 de abril de 2013

Quando me sinto peça de mobiliário



Estou assim assim,
entre atos que me espantam,
e papéis que voam para mãos de asa…
Stalking – que não conhecia –
perfeita loucura!
Nada disto se conjuga em poesia.

Indefino-me nestes momentos.
Sinto o corpo, vejo-o, é real
tal como uma qualquer peça de mobiliário.
O ser enclausurou-se num santuário.
Não possuindo a chave,
perecerá para esse louco mundo.

Não acordei com este pesar.
Os oráculos prometiam um dia de sonho.
O sol cumprimentou-me a raiar.
O guarda-chuva ficou em repouso.
O jardim sacudia as gotas teimosas.
As pessoas mataram-me de furiosas…

Por isso estou assim assim.
De semblante ensombreado…
Libertas-me, meu amor?

OF       01- 03-13
                                                             Foto – Autor desconhecido

14 comentários:


  1. Sabe aquele abraço bem gostoso??
    Pois é esse que vim te deixar.
    Aqui deixo meu imenso carinho
    por você.
    Que seja nossa amizade
    a mais infinito que houver.
    Um Dia lindo e abençoado.
    Beijos no coração.
    Carinhos na Alma.
    Evanir..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obg, Evanir, devolvo o carinho...

      Bjinho :)

      Eliminar
  2. Liberdade...ainda que tardia!
    Beijuuss Odete

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a maaior virtude da poesia, a liberdade, querida RÊ.

      Bjuzz, amiga :)

      Eliminar
  3. Mas quem se recusaria a libertar um semblante assim ensombreado...? Ninguém...
    Achei o teu poema excelente (mais um...).
    Um beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que tens razão, querido amigo...Obg pela presença e simpatia.

      Bjo, Nilson :)

      Eliminar
  4. Julgo que sim, que liberta, afinal não é o amor libertador?
    bji, querida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é-o, mas também outras atitudes...
      Contudo, como somos um todo, difícil se torna discernir, portanto o amor será libertador, redentor, alimento...

      Bjo, princesa :)

      Eliminar
  5. Olhar espantado
    ser enclausurado...

    Mas, onde estão as chaves?

    Será que a tua bela poesia te libertou? Gosto do desafio.

    Bjuzz querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se libertou, querida Teresa! Relembro o que já alguma vez disse numa entrevista: escrever é uma espécie de exorcismo...

      Obg, amiga

      Bjuzz :)

      Eliminar
  6. O tempo constrói clausuras
    Espaços retidos no verso
    Santuários de errante devoção

    Estou sempre assim

    ---

    Forte, impressivo, sábio

    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre criativo na recriação do que analisas/interiorizas.

      Obg, meu amigo Filipe

      Bjo :)

      Eliminar
  7. Olá, olha eu mais uma vez por aqui, delicado o seu texto. Aproveito para avisar que postei a segunda parte do meu conto Sempre Haverá Passáros, e quero seu comentário.
    Beijos e abraços
    Fabrício

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obg, Fabrício... Lerei, vamos ver se tenho tempo para comentar :)

      Bjinho :)

      Eliminar