terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Desequilíbrio(s)




Montanhas esquálidas
roubados que foram seus tufos.
Desapegos de homens insanos
violaram suas entranhas
e o verde esperança que no olhar trazia.

A sombra habitual companhia,
imolada em vão sacrifício,
breve será espécie em extinção
o rei sol perderá alguma frescura.

Peregrino sem destino,
num desatino caminhar,
sossegará em anoiteceres
de mares que esperam,
em pousio, o brilho da luz lunar.

Desacertado está o horário biológico
de uma natureza indefesa
desapossada de equilíbrio emocional.
Destroi pertences e legados
que numa guerra desigual
deles foi espoliada.

Mas tu, ser humano,
da tua inglória supremacia
fazes bandeira de conquista
e reconstrois, em visão meramente egoísta,
cuidando ser apenas teu este nosso mundo.

OF -  12-01-14
Foto – Autor desconhecido

10 comentários:

  1. O homem é um predador eternamente insatisfeito.
    (Versos sempre actuais)

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. O homem,um invasor cruel perante a natureza,uma ganância de possuir,

    consumir e destruir.Sem olhar para trás e totalmente desprovido do

    sentir de unidade,harmonia e equilíbrio.

    Estes desequilíbrios humanos varrendo a mãe-terra,escurecendo

    o verde e petrificando a luminosidade. Modificando as paisagens ( obras

    de artes vivas) em "desertos" mortos e esquecidos.

    Amiga,magistralmente este teu poema registra um grito de alerta,

    de denúncia inscrito pela sensibilidade rara, de quem chora pela

    natureza assassinada a cada instante. Esta indignação e este

    choro também me pertencem.

    Adorei a expressão espacial dos teus versos,uma originalidade

    plástica. Como um "florestamento" poético diante dos abusos

    devastadores da humanidade.

    Adorei!!

    Grata por este momento,amiga...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Esta natureza destruidora, predadora do homem, de ir sempre além dos limites, demonstra o quanto ainda temos que aprender e do quanto somos imensas partículas inferiores no complexo sistema de Gaia.

    Obrigada pelo alerta tão necessário!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Minha querida

    Infelizmente o homem destrói tudo em que toca. Um poema muito verdadeiro.

    Um beijinho com carinho e obrigada pela visita carinhosa
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. Olá amiga, infelizmente o homem destrói tudo por onde passa. Um poema que de tão verdadeiro até dói. Obrigada pelo carinho no meu canto. Os seus comentários ficaram sim. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  6. Oi, Odete!
    Quando tudo perecer e o sol "Peregrino sem destino" seguir seu curso, não estaremos mais aqui para lastimar a nossa insanidade. Mas talvez esse seja mesmo o destino das almas... Dizem que o homem está entre os próximos animais a serem extintos. Por agora, vou tentando em pequenas atitudes sanar a minha consciência, em contrapartida vejo a resposta da natureza - que trabalha em silêncio estocando a sua fúria.
    Coisas ruins não acontecem somente na casa do vizinho!
    Bom fim de semana!!
    Beijus,

    ResponderEliminar
  7. Oieee, te convido a conhecer meu cantinho, nele conto como estou fazendo para conseguir engordar (sim, engordar!!! rs). Passa lá pra conhecer minha história.
    Te espero.
    http://blogqueroengordar.blogspot.com.br/
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  8. O Homem destrói e, depois disso, quase sempre é incapaz de reconhecer o erro, e, quando o faz, não tem planos para a regeneração. Os incêndios serão o exemplo mais gritante.
    Curiosamente, tenta resistir à natureza na orla costeira, investindo muito dinheiro numa frente que vamos perder, porque o mar tem sempre razão. Reconhecer a derrota e recuar, muitas vezes, é um sinal de inteligência...
    Voltando ao teu poema, é excelente. As tuas palavras encantam-me sempre.
    Odete, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. O ciclo do egoísmo é devastador, e nem as ondas de destruição estão desenfreando a ambição humana! abraços

    ResponderEliminar
  10. “Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria. Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão.”
    ~MÁRIO QUINTANA

    Cumprimentos

    ResponderEliminar