terça-feira, 1 de julho de 2014

Tragicomédia de um verão português

Pintura: Salvador Dali

Apetece-me especialmente este verão.
Depenada, sem um tostão,
andarei despreocupada
com as pegadas na fina areia.
Serei a louca desnudada,
alvo de sorrisos dementes
ou gestos complacentes.
Talvez a visão de uma sereia…

Agrada-me este cenário
de santa sem relicário.
Incógnita, imaculada
de pele disfarçada.
Habitarei o quinto império,
do sonho não fui espoliada.

Resorts e campos de golfe.
veraneante sem destino.
Espia do grande regabofe.
Festanças e orgias…
Não serão meras fantasias,
tampouco perderei o vinho fino.

Há humores
e arrepios.
Há calores
e demasiados ímpios.
É um verão a rir e a chorar.
Um ciclo do universo,
um contra-ciclo no verso…

OF – 25-06-14 

Amig@s: sinto necessidade de informar que andei com problemas de saúde, logo sem grande ânimo para estar, com mais assiduidade, nos vossos espaços; a par, falta-me tempo, pois o acompanhamento das obras que estão em curso (e das quais não me livrarei tão cedo) exigem bastante de mim. São necessárias e, contra factos não há argumentos. Mas lá irei... Pelo menos, já estou a conseguir responder aos vossos encantadores comentários. Meu beijo :)

23 comentários:

  1. Olá, gostei do poema...Espectacular....
    Chorar é diminuir a profundidade da dor.
    ~William Shakespeare
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. Um poema deliciosamente animado e animador. É bom sinal :):)
    Do que precisares e estiver ao meu alcance, basta falar.
    Beijos e boas melhoras D

    ResponderEliminar
  3. Podemos sempre viajar aos nosso sonhos :)

    Bom restabelecimento...

    beijo amigo

    ResponderEliminar
  4. Minha querida

    Rir e chorar faz parte da vida...são os dois sentimentos tão naturais.Adorei como sempre.
    Desejo as melhoras e que não seja nada de grave.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. Cantas o desencanto com tal mestria que me deixas de lágrima em riste.

    São belas as palavavras que vais deixando cair e tão bem se acomodam.

    Desejo que te encontres melhor e logo recuperada.

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Lindo poema, te cuida.
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  7. Olá minha princesa. Senti teu perfume no meu Rede e segui o aroma, eis-me aqui. Aproveito para te convidar a participar do 9º Pena de Ouro, até o dia 06 de julho estarei recebendo as poesias, lembrando que as 20 primeiras é que serão selecionadas. Caso não deseje participar da brincadeira como poetisa conto com tua presença a partir do dia 12/07 para a votação. Um enorme beijo no coração

    http://ostra-da-poesia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  8. Odete , repito sempre que me alegra vir ao seu espaço e encontrar a beleza que nos apresenta . Agradeço a partilha e seus generosos comentários no meu blog . Desejo
    sua pronta recuperação . Beijos

    ResponderEliminar
  9. OI ODETE!
    EM PRIMEIRO LUGAR TUA SAÚDE, TE CIDA E FIQUE BEM PARA VOLTARES INTEIRA.
    TEU TEXTO É LINDO E COMO BEM O DIZ, QUANDO AINDA NOS RESTAREM OS SONHOS, PODEREMOS SEMPRE, RECOMEÇAR.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  10. Olá.

    Sábado de sol. Tardes de entretenimento.
    Meus desejos de um tempo de paz e Saúde.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  11. Poema alegre e displicente, gostei.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  12. Boa noite, Odete
    seu poema é muito lindo. Fiquei preocupada com você.
    Minha querida, cuide primeiro de você para depois poder cuidar dos outros.
    Minhas orações serão para você também, minha querida amiga.Fique bem. Grande beijo!

    ResponderEliminar
  13. Adorei estas pinceladas de liberdade sem limites.
    Boa recuperação.
    bj

    ResponderEliminar
  14. O poema est+a um mimo.

    De Dali gosto muito, acho-o de uma criatividade incrível, muito maior do que a de Picasso.

    Quanto a obras, sei bem a maçada que são...


    Abraço solidário desejando que te recomponhas depressa e bem, amiga :)

    ResponderEliminar
  15. As estações, os ciclos do universo... Mas a impermanência

    provoca novos sentires que sempre se inscreve poesia...

    E a tua poesia sempre um brilho (solar) especial!!

    Desejo melhoras,querida amiga!

    Bjos.

    ResponderEliminar
  16. Pelos motivos que apontei, não poderei responderei individualmente. Estou melhor, já com ânimo, mas falta o tempo...
    Agradeço imenso a vossa presença e gentis comentários.
    O poema: entre um ar de sua graça e uma ponta satírica, escrevi esta "tragicomédia", em resposta a um desafio poético, cujo tema era "Verão"... Não foi por acaso que escolhi um pintor surrealista para ilustrar o poema...
    BJOS, ami@s. :)

    ResponderEliminar
  17. Obrigada pela presença e pelo carinho. Oportunamente, retornarei. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos que lhe seja reconfortante a presença de amigos, Marilene.
      Bjo

      Eliminar
  18. .

    Cara, eu babo quando leio
    o que escreve, por isso não
    fujo ao seu entorno.

    Um beijo.

    Ah, estou seguindo o
    seu blog.


    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obg, Sílvio. Fico grata...
      Bjo :)

      Eliminar
  19. Sinceramente? Versejar verdades também faz alivia a pressão.
    Pègadas que ficam. Pègadas que vão.
    Felizmente podemos dizer o que sentimos e sentir (dói muito!) o que versejamos.
    Parabéns.
    Que já esteja tudo bem!



    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar