quinta-feira, 8 de outubro de 2015

No outono, recolho-me


Obra de Anna Dittmann

Caem-te as folhas numa banalidade cromática
e eu quedo-me sempre numa muda contemplação.
Mas é nesta repetição, cadência como respiração,
que me pulsa o tempo no relógio biológico do sentir.

Não sei porque me fascinas
apesar das festas acabadas.
A música, ar de rock poeirento e festivaleiro,
é avessa à tua nova sinfonia.
Recolhimento, preces de olhares doirados
no pavimento folhoso e quebradiço,
perpetua o tempo que noutro tempo me foi anafado.

Gosto deste emagrecimento.
Foram-se as gorduras do supérfluo.
Igualo-me no teu progressivo despojamento.
Afinal são apenas folhas. A espinha dorsal,
sempre digna no eterno retorno dos elementos,
é tronco imperfeito das árvores
que me abraçam num colorido afetivo.
E sei: é no outono que sigo pelos trilhos mais apertados.

OF (Odete Ferreira) – 23-09-15

18 comentários:

  1. É isso mesmo, o Outono é época de recolhimento. Sem o pó e calor das "festas acabadas" e sem essas "gorduras do supérfluo".
    Belíssimo poema, Odete!
    xx

    ResponderEliminar
  2. ~~~
    ~ No Outono fico cada vez mais nostálgica.
    ~ Gosto de passear para melhor o apreciar.
    ~ Vou recolhendo-me progressivamente...

    ~ Num tempo
    em que todos os belos poemas temáticos
    me são caros.

    ~~ Beijinhos. ~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. Nem sempre se volta ao outono pelo mesmo caminho onde nasce a alegria. Por isso nos refugiamos nas palavras... Muito belo, o poema.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Saudade dos belos relâmgagos

    em todos os apeadeiros

    Bj

    ResponderEliminar
  5. Acróstico

    O que fazer quando a vida fenece?
    Um pouquinho cada dia se volatiza
    Tanto que a animação desaparece
    Outono da vida chega e nem avisa.

    Na estação outonal caem as folhas
    Outono da gente, falham as pernas
    Dói a coluna, diminuem as escolhas
    Assim os meios já não os governas.

    Vai deteriorando tudo de mansinho
    Inclusive o existir ficando mais sério
    Dores, amores deixados no caminho
    Acabam à proximidade do cemitério.

    ResponderEliminar
  6. Odete,
    O Outono é o esplendor duma vida bem conseguida.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, Odete.
    Amo tuas poesia, amo o Outono.
    Linda estação, que aqui no Brasil deixa um ar mais acinzentado, mais frio, contudo, fez tanto calor aqui que chegou a ser atípico.
    Sou filha do Outono e sinto seus prazeres, sei o que é o recolhimento,assim como da sua necessidade.
    Parabéns, amiga.
    Tenha um mês de Outubro de paz.
    Beijos na alma.
    Deixo-te um convite:

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/2015/10/dialogo-com-chronos.html

    http://divasdapoesianaturalmente.blogspot.com.br/2015/10/o-habitante-by-patricia-pinna-zilda.html

    ResponderEliminar
  8. Uma bela prosa reflexiva outonal! Como o tempo o merece :9

    grande BEIJINHO

    ResponderEliminar
  9. O recolhimento no Outono representa o início de uma preparação à uma volta triunfante e feliz, nas estações mais quentes!
    Um beijo grande, Odete!

    ResponderEliminar
  10. Este teu belíssimo poema no meu sentir, veio com a
    melodia e movimento das folhas coloridas pela
    luminosidade do teu afeto; um sentir tão rico e belo
    na amplitude do teu olhar poético a nos abraçar
    nesta viagem para o recolhimento...
    Adorei!!!
    Amiga, sei que devido a nossa sintonia,
    não precisava me repetir quanto a te agradecer
    pelo o teu olhar que é muito especial nos meus
    escritos. Mas, quero expressar a importância que tem
    o teu olhar (leitura), atenção (teu tempo) e carinho (tua amizade)
    nos teus belos e generosos comentários com que me presenteia...
    Muito obrigada, viu...
    Beijinho grato.

    ResponderEliminar
  11. É tempo de guardar sentimentos no recanto dos tons castanhos dos dias de outono.

    ResponderEliminar
  12. Minha linda, este é um dos teus poemas que mais me agradaram, mas nem ele me faz apreciar mais o Outono e o frio e as chuvas que traz consigo


    Beijos e abraços :)

    ResponderEliminar
  13. Quando caem as folhas, nos voltamos também para o que caiu de nós, e nos recolhemos em fase de meditação. O outono é sempre abraçado como sinônimo de nossas próprias vidas, quando já passamos por algumas (rss) primaveras. Gosto de suas cores e de seu tempo ameno, lembrando que também eu preciso desse dourado, para suprir os tons que não mais de cobrem. Muito linda a forma com que , poeticamente, se manifestou. Grande beijo!

    ResponderEliminar
  14. Boa tarde
    Passei pelo teu cantinho para te dar a conhecer o meu modesto espaço de poesia.
    Espero que gostes. Um abraço, Ana Pereira
    http://almainspiradora.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. Boa tarde, Outono lindo que nos oferece as belas cores e abraços afectivos.
    AG

    ResponderEliminar
  16. Belo poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  17. Outono é tempo lindo a ver-se antes da hibernação dos olhares.
    Um poema muito belo.


    Beijos
    SOL

    ResponderEliminar
  18. Lindas palavras no aconchego do outono... Tempo de recolher-se e repensar a vida.
    Grande beijo, Odete!

    ResponderEliminar