quarta-feira, 16 de março de 2016

Gestação


 Obra de Christian Schloe

Ainda aconchegadas no ventre materno,
esperando a gestação do tempo
numa calmaria aparente,
enquanto a montanha se oferece
ao acasalamento do calor solarengo
e o rio lá em baixo aguarda o parto,
as sementes, com amor plantadas,
vestem-se de púbis verdes,
anunciantes das mulheres de esperanças
porque delas nascerão primaveras.

Ainda me sobram as escuras vestes
no corpo ao tempo subjugado,
mas já são claros os olhos
que desassossegam a pele
quando, por fim, termina a gestação.

OF – 22-02-16

24 comentários:

  1. Odete, está tudo lindo por aqui! Arte e Poemas se unem em perfeita harmonia!!

    ResponderEliminar
  2. Harmonia perfeita entre o belo poema e o quadro de Christian Schloe, uma maravilha, gostei bastante.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  3. Um belíssimo poema; fresco e profundo, sobre o ciclos de gestação, o humano e o da verde natureza a germinar a cada Primavera. Todas as sementes plantadas com amor nascerão viçosas, porque estamos na hora do renascimento e da novidade. Hora de retirar "as vestes escuras".
    Gostei muito, e da imagem, também.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Belíssimo poema amiga. E uma perfeita simbiose entre ele e a imagem. Muito bom.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Há flores em todos os apeadeiros
    Belo casamento o seu texto

    ResponderEliminar
  6. E "as escuras vestes" perdem seu lugar! Há luz, há brilho, há cores no final da gestação, reluzindo em olhos claros e esperançosos que se voltam para o sol. É primavera! Seja na natureza, seja na vida. Muito lindo, Odete! Bjs.

    ResponderEliminar
  7. Gostei muitíssimo do teu poema, é excelente. Como não podia deixar de ser, escrito por ti...
    A imagem que escolheste é perfeita.
    Continuação de boa semana, querida amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde, o quadro de Christian Schloe é maravilhoso, assim como, maravilhoso é o seu poema.
    AG

    ResponderEliminar
  9. Gestação, criação de vida, veste de renascimento...
    Maravilha de Poesia, Odete. Parabéns, também pela imagem que reforça o tema.

    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  10. Olá, Odete.
    Belo poema a cheirar a primavera feita da "mulher de esperanças" - perfeito.

    bjn amg

    ResponderEliminar
  11. Um post todo ele muito belo, tanto pelo quadro como pelo teu poema.

    Beijinhos, linda

    ResponderEliminar
  12. ~~~
    Associações e metáforas muito belas, Poeta!

    O parto está próximo e tudo já se adorna para o evento.

    ~ Um 'post' pleno de criatividade e esperança!

    ~~~~ Abraço amigo, Odete.~~~~
    ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  13. Olá amiga Odete, diferente do que costumas escrever, mas igualmente belo. Gestação anunciada . Amei demais. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  14. Oi, Odete!
    Magnífica mixagem de gestação e germinação, principalmente quando você insere "Ainda me sobram as escuras vestes
    no corpo ao tempo subjugado,
    mas já são claros os olhos...".
    Beijão e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  15. Querida Odete,
    Um poema de uma beleza sublime e acompanhado de uma
    imagem tão bela.
    Um todo de arte encantadora, o tempo das estações com
    a gestação da primavera a explodir em flores, cores
    e aromas e a implodir no nosso interior a beleza surgindo
    de uma natureza divina expressa e inscrita na tua
    poesia, amiga!
    Adorei!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  16. Odete , vir ao seu espaço é sempre momento de sorver o belo . O texto repleto de metáforas e a imagem que escolheu para ilustrá-lo merecem ser louvados . Obrigada . Beijos

    ResponderEliminar
  17. Gestação na Natureza e na Poesia. Muito belo, Odete.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  18. Olá, Odete.
    Passando para lhe deixar um bjn com gosto de amêndoa de chocolate ;)

    Mas sem exageros!

    ResponderEliminar
  19. Boa tarde, Odete, que belo poema e imagem. Singulares metáforas que nos deixam entender um pouco mais do que se deve, pois há muitas leituras a serem feitas com suas palavras. Belíssimo! Beijos!

    ResponderEliminar
  20. Ah, essa alma, sempre a depurar o essencial...
    Que beleza, Odete!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  21. Nunca a primavera se sentiu tão maravilhosamente cantada nem o parto tão afagado
    Uma delícia , Odete !
    Beijinho

    ResponderEliminar
  22. Achei seu blog um encanto...
    Se quiser visitar o meu e seguir se gostar, ficarei muito feliz.

    Beijos

    Ani

    http://cristalssp.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  23. Gosto imenso da tua poesia. E este poema não é exceção, porque é excelente.
    E tem uma coisa que eu também aprecio, não tem erros de português... nem sequer na pontuação... Sei que na poesia há muita liberdade, mas eu gosto assim. É um poema interessante para ser dividido em orações, por exemplo... Ainda me lembro de fazer isso no Ciclo Preparatório nos Lusíadas. Era terrível, mas aprendi muito. Depois disso, acho que não aprendi mais nada da nossa língua...
    Um beijo, querida amiga Odete.

    ResponderEliminar