segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Sopros de (Ad)vento


  Christian Schloe

Nos últimos tempos, presenteava-a, frequentemente, a memória com a fábula da cigarra e da formiga. Não que a figura tipo da cigarra a incomodasse, tampouco algum disfarçado sentimento de inveja. Sempre fora formiguinha e o que “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” funcionava como prenúncio de que o (seu) mundo poderia acabar a qualquer momento. Tudo, então, devia estar organizado. Por si e pelos exemplos da vida, o seu espírito de formiguinha prevalecia. Nunca saberia quem poderia chegar para ajuizar daquela pessoa cujos espaços e objetos ficaram vagos da sua presença. O caos só lhe era apetitoso no plano das ideias e motor de permanente interrogação retórica.
Contudo, nestes últimos tempos e nos próximos, sabia, chegava a gratificar-se por assim ser. Julgava mesmo que a sua intuição era uma espécie de dom. Afadigava-se pelos carreiros da sua vida como veículo todo terreno. As prioridades geriam-se por si, inconscientemente, funcionando como empresa em contratação de outsourcing. Tudo se tornara urgente e a economia da sua narrativa obrigava-a a uma engenharia emocional, não isenta de um sentimento de falha. Por mais que desse indícios da necessidade de fazer opções, havia sempre julgamentos apressados. Normal: este tempo tornou-se desatento, flácido. Se o exercício físico exige esforço, força de vontade e outros, por vezes, desmandos, o que não exige o exercício mental!
Felizmente, há exceções; como o jovem Tiago que, já lá vão vinte anos, observando os seus apressados gestos, numa quietude interrogativa, dissera “Sempre quero ver como é que hoje nos vai surpreender…”. Se antes já o sabia, naquele momento não restaram dúvidas: haveria sempre alguém a ter um olhar que capta a essencialidade das pessoas e das coisas.
(...)
E cuidara: espaços e tempos; pertences e pertenças; dias e noites; risos e lágrimas; corpo e espírito; silêncios e ruídos. Doseando, temperando e temperando-se.
Depois, de supetão, foram as histórias de finais felizes que a surpreenderam, premiando-a, vivendo, porque não têm prazo, os contos de fada e o sonho eternizado no seu enredo.
Por isso, nestes últimos tempos, o trabalho de formiguinha ganhara espaço. Dera outro uso a tudo o que, para as suas necessidades, ficara fora de prazo e fora acomodando o novo com o desvelo da mãe coruja. 
Em breve as achas crepitariam. Em breve seria Natal…

Odete Ferreira – 18-09-16

Vladimir Kush

Advento

Quando, por estes dias, o frio
me percorre em bafos quentes,
tocando de leveza os passos miúdos,
num alvoroço quieto, numa espera serena,
atentando nas miudezas das ruas,
limpas, clareadas, donde, por algum tempo,
as sujidades são enxotadas,
acrescento-me de palavras que esqueci,
aguardando, por estes dias,
a revelação da emoção plena,
supondo-a como rebentação
das ondas desprendidas das águas,
onde se fizeram corpo e espírito.

O meu olhar, por estes dias,
acenderá dezembros de luz.
A gotejar, sempre que me perder
na fascinação íntima do ser a nascer.

Quando, por estes dias,
o frio for fogo a arder no meu peito,
e a bênção do céu à terra descer,
saberei do teu cheiro e do sabor a Natal.

OF (Odete Ferreira) – 07-12-16

23 comentários:

  1. Querida amiga.
    Desejo que o natal do teu sangue ocorra com o sucesso, o esplendor
    e a comoção que desejas e sonhas.
    Agradeço-te os ótimos momentos de leitura. O poema, de tão genuíno
    a sentido, emociona-me pela sua beleza e brilhantismo.
    Irás celebrar o natal habitual, com a emoção de um advento ao vivo.
    Que os teus dias de júbilo e reconhecimento pela graça divina, sejam
    inebriantes de puro amor e encanto.
    ~~~ O meu abraço natalício, especialmente terno ~~~

    ResponderEliminar
  2. Um poema maravilhoso, que me fez chegar o cheiro a Natal...
    O conto excelente recordou-me o poema de Miguel Torga "Fábula da fábula" em que diz. Quem não canta morre de fartura"...
    Um BOM Natal e um Ano novo MELHOR.
    Um beijo, minha Amiga Odete.

    ResponderEliminar
  3. Odete,

    dois belíssimos textos
    e não me peças para escolher, pois não seria capaz.
    é com enorme alegria que vou conhecendo a tua escrita
    lamento apenas o tempo que tardei.

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  4. Limito-me a ler e gostar do que escreves, muito bom.
    O ano está quase no fim e com ele a proximidade do Natal. Tempo de reflexão, de família, de afetos redobrados… ou pelo menos seria bom que assim fosse. Que o Natal fosse um período de verdadeira entrega ao outro, que o Ano Novo fosse um verdadeiro reinicio, construído com as aprendizagens trazidas do ano que termina, para uma construção sólida, bem sustentada nos valores tão apregoados nas épocas festivas.
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Como diz o Manuel Luís no seu comentário e não podia estar mais de acordo "Limito-me a ler e gostar do que escreves, muito bom" e acrescento que é sempre um enorme prazer ler o que a minha amiga escreve.
    Aproveito para desejar um Santo e Feliz Natal à minha amiga e sua família.
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passei por aqui para desejar à minha amiga um Óptimo 2017.

      Eliminar
  6. Odete , minha amiga querida
    Só posso agradecer a partilha generosa de sua brilhante escrita e sua presença constante no meu espaço .
    Um Natal abençoado junto dos seus e um 2017 com saúde , poesia , sucesso e muito amor .Beijos

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, querida Odete!
    Conto e poema com notas máximas, seu conto nos remete realmente, a um outro tempo.... belas recordações. O Advento nos leva a interiorização. Belíssimos e muito bem construídos. Desejo a você um santo e abençoado natal!Grande abraço!

    ResponderEliminar
  8. OI ODETE!
    UM CONTO PROFUNDO E UM POEMA INTENSO, QUE SE COMPLETAM NA PURA BELEZA DE TEUS ESCRITOS.
    UM NATAL, NO QUAL A VERDADEIRA ESSÊNCIA, SEJA O ALIMENTO DE NOSSAS ALMAS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Como sempre, a exceLancia anda de mãos dadas com tudo o que escreves.
    Ultimamente tenho escrito poço, mas leio-te tudo. É delicioso ler-te.
    Faço votos para que o teu Natal seja repleto de alegrias, saúde e paz. O presente maior está para chegar e para ele desejo toda a felicidade do mundo.
    Bom 2017. Beijo enorme da Dulce

    ResponderEliminar
  10. Maravilhoso querida amiga adorei mesmo. Querida amiga, passei para lhe desejar um Natal muito Feliz com muita saúde, paz e muito amor, junto de quem mais ama. Beijos muito carinho

    ResponderEliminar
  11. Encanto-me sempre por aqui, Odete.
    Um fantástico natal para ti e para os teus!

    ResponderEliminar
  12. Querida Odete

    Antes da minha ida a Cabo Verde (a tal viagem) vim visitá-la mas já não pude comentar por causa da confusão das arrumações e desarrumações.
    Hoje vejo-me bafejada pela sua prosa e poesia, momentos únicos de leitura. De uma fábula fez uma obra de arte, de uma ideia de renascimento faz crepitar em nós os mais belos sentimentos. Muito obrigada e bem haja!

    Desejo-lhe um Natal abençoado e Ano Novo Feliz. São estas as palavras repetidas milhentas de vezes nesta quadra, mas que levam em si toda a minha amizade e admiração.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  13. Que o espírito natalino traga aos nossos corações a fé
    inabalável dos que acreditam em um novo tempo de paz , amor ,
    solidariedade e acima de tudo fé que renova nossas esperanças
    num mundo mais humano sem dor e sem guerra.
    Meu agradecimento pela sua amizade
    sua sincera amizade.
    Feliz e abençoado Natal.
    A você e todos da sua família e amigos.
    Um abraço forte meu eterno carinho.
    Voltarei a postar e visitar antes da virada
    para um novo ano.
    Evanir..

    ResponderEliminar
  14. Minha Amiga,

    Dois presentes encantadores, a tua escrita
    no toque da alma...
    O primeiro, texto belíssimo da formiguinha
    com a "alma" de filósofa, com a "intuição que
    era uma espécie de dom". A intuição é uma sinalização
    interior como um radar precioso, minha amiga.
    O segundo, um poema luminoso com a raridade da
    beleza única de uma Poeta que transborda emoção!...

    Deixo os meus votos também aqui de que tenhas tido
    um natal especial na paz, alegria e harmonia junto
    com a tua família.
    Grata pelo teus votos e carinho.
    Um beijo e abraço de paz!

    ResponderEliminar
  15. Feliz ano de 2017 com a concretização de todos os sonhos
    AG

    ResponderEliminar
  16. Olá, Odete
    Ainda chego a tempo de receber, de braços abertos, o rebento?
    Espero que sim...
    Que chegue bem e carregadinho de felicidade para distribuir pelos que o aguardam ansiosamente...
    Assim será!!!

    Um excerto de um conto(?) que faz crescer água na boca, e um poema, para além de bonito, perfeitamente adequado - à quadra e ao acontecimento.
    Que tudo corra de acordo com as expectativas...

    E agora que o Natal passou... desejo que tenhas uma excelente passagem de ano, e um 2017 pleno de felicidade.

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  17. Querida amiga, o que se sente ao ser avó, fica fora de todos os contextos. É de tal maneira grande, que não nos cabe no peito. Desculpa amiga mas não te consigo explicar... mas é uma sensação única. Bem...se ainda não nasceu, vai nascer no dia dos meus anos...era muito giro. Beijinhos amiga e muitos parabéns e muita calma nessa espera...

    ResponderEliminar
  18. Sempre o Natal nos mostrou a proximidade de um novo ano. Talvez seja esta a sua maior virtude.
    Feliz 2017.
    bj

    ResponderEliminar
  19. Sempre te disse que o teu estilo é de uma fluência tal que encantas.
    A tua poesia emociona. E o ad-vento está aí. Em breve o novo ano te trará outras realidades
    Feliz Ano Novo, Odete
    Beijo!

    ResponderEliminar
  20. No Natal os sentimentos e emoções afloram, tudo fica lindo, na medida certa! Parabéns pelo texto e belo poema, Odete. Deixo, também, meus votos de paz, saúde, alegria para esse ano que vai entrar. Que você seja muito feliz junto de sua família, que realize suas metas, seus sonhos.
    Beijo, querida Odete.

    ResponderEliminar
  21. Amiga
    Só uma passagem rapidinha apenas para repetir os votos de bom 2017, e (principalmente...) para desejar, à moda antiga "Uma hora pequenina"...
    É o teu primeiro? Eu tenho... NOVE :)))

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar