segunda-feira, 22 de maio de 2017

Havemos de ser peregrinos


Havemos de ser peregrinos
quando nada do que é palpável
nos suster as asas.
Faremos, então, caminho,
pelo íntimo desejo
de sermos a maciça pedra,
lisa e cheia, que aponta o voo.
Indiviso, polifónico,
como a palavra que escutamos
no indiscreto eco das falas
entre os montes ávidos e libertinos.
Que nos arrastam em ais subliminares
e, sibilinos, nos enviam os sinais.
E, sabemos, havemos de ser peregrinos.

Havemos de ser fumo, fogo e fósforo.
A luz que nos lateja nas têmporas,
a água que nos mata as sedes.

Havemos de ser o espaço e o tempo.
Num sobrevoo redondo.
A rasgar caminho.

OF (Odete Ferreira) - 10-05-17
Obra de Carlos Calvet

(Informo os amigo e amigas que respondi aos comentários deixados na anterior publicação "Perceções I")

16 comentários:

  1. Agrada-me sobremaneira a ideia de ser peregrina,
    quando «nada do que é palpável nos suster as asas»...
    Muito etéreo, brilhante e belo este teu poema, Odete.
    Entretanto, que venham dias agradáveis e especiais
    com a proteção de Gaia e todas as divindades...
    ~~~ Beijinhos ~~~

    ResponderEliminar
  2. Seremos peregrinos. Seremos o caminho. Seremos os passos que dermos. Seremos as pedras, as flores, os abismos, os versos, as canções...
    Gostei deste teu poema, Odete.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, havemos de ser peregrinos ou somos diariamente? Peregrino eu sou para encontrar o muito que ainda me falta.
    Gostei de ler o belo poema, feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
  4. Somos todos peregrinos, mesmo que disso não tenhamos consciência.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  5. Peregrinos sem um norte, sem horizontes, apenas vagando erroneamente sobre a terra! Nau sem rumo, é como nos sentimos, hoje, em nossa pátria querida!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  6. Creo que el poema se resume muy bien en estos versos ya que yo no puedo expresarme en portugués:

    Havemos de ser fumo, fogo e fósforo.
    A luz que nos lateja nas têmporas,
    a água que nos mata as sedes.

    Havemos de ser o espaço e o tempo.
    Num sobrevoo redondo.
    A rasgar caminho.

    Gracias por compartirlo y por su amable comentario en mi blog. Saludos muy afectuosos y cordiales. Franziska

    ResponderEliminar
  7. Havemos de ser peregrinos quando percorrermos o caminho que falta no tempo por lavrar e nas alegrias que sobrevoam o nosso rosto cansado de esperar . Só não cansa ler- te , Odete !
    Abraço !🙅

    ResponderEliminar
  8. Vamos a rasgar caminhos
    Porque somente o futuro
    É agora, enquanto eu duro.
    O ontem são os desalinhos

    Na trajetória. E os ninhos
    Devem estar atrás do muro
    De um passado obscuro.
    Já adultos passarinhos,

    Sabemos voar sozinhos
    Sem desprezar os vizinhos,
    Mas autônomos cidadãos

    Ciente de rosa e espinhos.
    Ergamos os nossos vinhos
    E brindemos dias vãos!

    Belíssimo poema o seu, querida amiga Odete! Parabéns! Gosto demais deste espaço. Poesia é encanto que canta o canto que gosto. Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  9. Querida Odete

    É a nossa sina, aqui tão bem plasmada em versos de sonho. O passado e o futuro num encontro memorável, seguindo por caminhos percorridos e por percorrer. E quando somos fumo, fogo e fósforo aí sabemos que a luz terá de vir de nós, acendendo archotes e com eles alumiaremos o mundo.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. Um excelente poema minha amiga de que gostei bastante e andamos todos a peregrinar pelos caminhos desta vida.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  11. Este povo tem vocação de peregrinar...
    Já o dizia Fernão Mendes Pinto.
    Mais um excelente poema, gostei imenso.
    Bom fim de semana, amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Peregrinos? De certa forma já o somos, mas ainda não sabemos. Falta-nos, para aquietar as angústias, ousar ser, ousar fazer. Um passo de gigante, reconheço.

    Um beijinho, Odete :)

    ResponderEliminar
  13. São as andanças dos peregrinos, cada um colhendo o que planta, andando, descobrindo, ferindo, solidarizando-se, amando, odiando...e refletindo.
    Somos todos responsáveis pelo que vamos colhendo ao longo do caminho.
    Beijo, querida Odete.

    ResponderEliminar
  14. Boa noite, Odete.
    Somos peregrinos,de fato.
    Andamos por aí pensando o que nos diferencia do estático, talvez nossas atitudes.
    Tantos rumos a seguir e quase nenhum delea encontrar firmeza.
    Contudo,a vida é cíclica, por essa razão, somos peregrinos na essência Universal.
    Parabéns,amiga.
    Beijos na alma.

    ResponderEliminar
  15. Odete , peregrinamos todos pela vida , não é ? Lindo seu poema . Obrigada por partilhá-lo . Aproveito para lhe agradecer as generosas palavras deixadas no meu espaço . Beijos , amiga .

    ResponderEliminar