domingo, 7 de maio de 2017

Amor, apenas...

Quando te olho 

E cada passo é de sol, 
adejante movimento
entre o tímido sopro
e o repentino vento
que te rasga a boca num sorriso
e me esboroa por dentro.

E cada gesto é de sol,
cativante coreografia
entre dedos de leveza
e pezinhos de firmeza
que me levam numa dança tonta
na sofreguidão do voo.

E cada sibilo é de sol,
eco do som em que leio palavras,
que me dizem, na mudez do amor,
ainda um morno lago de murmúrios,
num mar que me há de ser ser luz e espelho .

E todos os dia são de sol,
exercício de adivinhação,
leitura de linhas de expressão,
maias de emoção no meu peito.
E momices com sabor a canção.


OF (Odete Ferreira) – 03-05-17
O Ivo, 4 meses, num dos momentos de reação às momices da avó


Oro-te, mãe
 
Oro-te, mãe. Todos os dias. Diria mais. A cada momento em que, de mim, sou consciente. Da inconsciência não sei dizer, apenas da perceção. Sobre ela, sim, sei falar, ainda que toscamenre. Não tenho a arte da tosquia. Por isso, fica sempre a lã suficiente no meu corpo, de onde o cordão umbilical nunca se despegou e no qual se iniciou, se desenvolveu e perpetuou esta perceção de te ter sempre em mim. E sempre inteira! Com tudo o que me arrelia e com tudo o que me impele a ter-te em mim. E tudo é o todo que abarca a minha memória. Que, bem sabes, nunca se apresenta do mesmo modo. Como uma visita. Umas vezes, bate-nos à porta com um sorriso largo. Como se viesse dar as boas festas. Outras, com um ar circunspecto, sabendo, de antemão, que são esses os moments do amor pleno.
Hoje, nas rosas que colhi do jardim, vai o sentido maior deste dia: o da celebração de existência: a tua, a minha…E a do nosso menino que beijaste, emocionada (outra vez), há uma semana.
Oro-te, mãe minha. Sem prece previamente definida. Conforme o tamanho do momento.

Odete Ferreira, 07-05-17
Foto: Odete Ferreira (a mãe com 18 anos)

27 comentários:

  1. Bonito poema que no entanto não consegue bater em beleza o sorriso do Ivo.
    Uma sentida e emocionada homenagem à mãe, neste dia que dizem é nosso.
    Um abraço e feliz dia da mãe.

    ResponderEliminar
  2. Querida Odete

    Trazes-nos hoje dois momentos belíssimos nestas homenagens, enquanto avó (duas vezes mãe) e filha, em verso e em prosa.
    Muito obrigada, minha querida, acompanho-te nessas momices e aprecio o ar embevecido do pequeno Ivo, ao mesmo tempo que me junto à tua prece.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Toda inteira, assim és, de corpo e alma. nos movimentos, nas palavras, no sorriso. Como não ficar embevecido com avó assim? Avó inteira, filha inteira, mãe inteira. Assim és.
    Parabéns a todas as mães da tua casa. Tu, porque és mãe, tua mãe, teu bafejo.
    Abraço, Odete, querida amiga

    ResponderEliminar
  4. Ah...
    ... e o Ivo está um bébé de sonho!
    Parabéns à sua mãe :)
    A ti!

    ResponderEliminar
  5. Que linda homenagem, Odete! Carinho, amor, gratidão transbordam nesse Dia, o Dia delas! E nosso. Para mim é um pouco triste, já não posso lhe dizer, confessar mais nada... Dizer da minha saudade. Apenas a lembrança, doce lembrança.
    E pra você, querida Odete, o sorriso do teu netinho é uma benção. Parabéns a você 2 vezes!
    Beijo!

    ResponderEliminar
  6. Quanta ternura... quanta emoção... quanto amor...
    transbordam das palavras que sabiamente usaste
    neste momento de comoção e devoção.
    Dias abençoados para a tua família.
    Acho terno e belíssimo partilhares
    o crescimento do Ivo conosco.
    Grande abraço e beijinho para o teu menino.
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  7. Não sei qual dos dois texto me sensibilizou mais, Odete. Quanto amor a transbordar de cada uma das palavras que escreveste. Filha, mãe avó tens no coração a memória da vida sentida e sofrida a cada dia... Maravilhoso!
    O teu Ivo está um encanto. Bem-hajas por partilhares, amiga.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. E cada poesia é um laço de coração! beijos

    ResponderEliminar
  9. dois registos diferentes e, no entanto, tão próximos os textos que publicas
    para além da respectiva beleza formal, pressente-se, num e no outro texto, o rumor do sangue a inscrever na vara do tempo todos os afectos e os desígnios de que és medianeira.

    gostei muito, Odete

    beijo

    ResponderEliminar
  10. Palavras esculpidas com ternura
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Olá, seu neto tem um sorriso lindo cativante, seu amor pelo lindo neto é a sua enorme felicidade, parabéns!.
    continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
  12. Odete , minha amiga .
    Parabéns triplamente : primeiro , pela foto que nos mostra a beleza e
    alegria de seu netinho , Ivo .
    Depois , pelo poema a ele dedicado e , finalmente , pelo emocionante texto em homenagem a sua mãe .
    Você faz o que quer com as palavras e deixa seus leitores encantados .
    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Lindo minha amiga aqui se junta o passado que nunca se esquece com o futuro que nos aquece o coração.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  14. Amor, apenas.... delicia-se a gente! Os netos até nos trazem mais originalidade. Bjnhs

    ResponderEliminar
  15. Acróstico

    Nós nos esboroamos pelos tais
    Eles garantem a continuidade
    Têm o condão de serem muito mais
    Oferendas para nossa vaidade
    Salve os netos, filhotes causais!

    ResponderEliminar
  16. OI ODETE!
    QUANDO OLHO PARA MEUS NETOS, SÃO DOIS, FICO PENSANDO COMO É POSSÍVEL QUE OS AMEMOS COM A MESMA FORÇA DE AMOR QUE DEDICAMOS A NOSSOS FILHOS? NÃO SEI RESPONDER, MAS, PARA MIM, É MAIS UM MILAGRE DA SABEDORIA DE NOSSO "PAI".
    O IVO É UMA FOFURA, QUE SÓ ALEGRIAS VAI DAR A FAMÍLIA.
    A HOMENAGEM QUE FAZES A TUA MÃE É EMOCIONANTE.
    FELIZ DIA PARA TI TAMBÉM.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  17. Que lindos versos, Odete!...
    Versos que elevam o moral.
    É claro: o bem contra o mal,
    Que no poema reflete.

    Há amor, há canção e há sete
    Dons. O espiritual
    Dom supremo, afinal,
    À poetisa compete.

    Saber expor poesia
    Do seu moral que irradia
    Luz a quem ler o poema,

    É dom de Odete. És guia
    No amor e dás alegria,
    Por qualquer Força Suprema.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  18. De cada verso escorre ternura como se de mel se tratasse!
    E o sorriso do Ivo retrata a doçura com que encara as momices da vovó...
    A fazer concorrência... a "oração" a tua Mãe, tão bela de sentido quanto de conteúdo.
    Que o teu Dia da Mãe tenha sido triplamente feliz, amiga.

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  19. Orando aos que partem, cantando aos que chegam: assim é a vida, na sua magnitude.
    Sempre tão bem, Odete!
    (O Ivo é lindo!!!)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AC, a minha mãe ainda está bem presente e, desejo, que por muitos e bons anos. Bjinho

      Eliminar
  20. Boa tarde, querida Odete,
    Li os dois poemas, e me emocionei, me senti saudosa, pois gostaria de ter minha mâezinha por perto.Que belo poder cantar versos como mãe, e avó do Ivo, bebê, lindo, um anjo. Homenagem mais que justa à mãe, à avó e, à filha que é mãe, também.Feliz e abençoado dia a vocês! Beijos!

    ResponderEliminar
  21. Oi, Odete!
    Parabéns, três vezes: primeiro, pelo amor ao seu neto - nesse caso paixão de avó -, segundo pela mãe que ainda tens e terceiro pela mãe que és!
    Feliz mesmo, deve ser o Ivo, que tem uma avó poeta e ouvirá com certeza, muitos versos lindos, que serão só seus!
    Beijos, boa semana e Feliz Dia das Mães!

    ResponderEliminar
  22. Sou sempre grata a todos os amigos e amigas que estão comigo nas partilhas. Tento retribuir o apreço, indo aos vossos blogues, expressando o meu sentir pelas vossas. Contudo, nesta postagem (e em outras) que envolve uma expressão de um sentir íntimo e pessoal, ainda fico mais sensibilizada pela vossa presença e pelas palavras gentis e afetuosas que me deixam sobre a partilha em si e pelos felicitações em relação ao meu netinho Ivo.
    Muito obrigada! De coração (cheio). Bjinhos

    ResponderEliminar
  23. Minha amiga,

    Belíssimos e tocantes os dois registros de puro amor que ilumina e
    soma com a luminosidade da tua expressividade poética singular e
    inspirada e o teu netinho Ivo é uma fofura e tem um sol no sorriso
    igual ao teu sorriso. A tua mãe de mãos dadas contigo nesta vida
    que tu cantas Poesia, Poesia sempre!...
    Beijo e abraço afetuoso!
    Ps: Estava distante da blogosfera e por isso não apareci aqui, mas deixo meu carinho nesta postagem epecial, minha querida!...

    ResponderEliminar
  24. La belleza y la sonrisa de un bebé es algo que enamora, que atrapa el corazón y lo lleva hasta rebosar dulzura por los cuatro puntos cardinales. La madre, otro misterio de la vida, algo que nunca podemos ni queremos olvidar, significa tanto en nuestra vida...

    Hermosos temas son los que has abordado en esta ocasión. Gracias por su visita y amables palabras. Afectuosamente. Franziska

    ResponderEliminar
  25. O poema é magistral.
    Mas o mérito, desta vez, não é teu... é do Ivo... que para 4 meses está muito desenvolvido.
    Também gostei muito do texto em prosa.
    Parabéns, avozinha babada.
    Beijos, querida amiga Odete. Tem um bom fim de semana.

    ResponderEliminar