quarta-feira, 12 de julho de 2017

Eflúvios


 Arte de Anastasia Vostrezova

Na plasticidade dos dias lentos,
exalta-me o viço da cor,
colírio de rosas brancas,
olhar líquido, abraço sedutor.

Que não fiquem secretos os pergaminhos,
testemunhos de humanos amores.
Dos primórdios chega-nos o rufo dos tambores,
soltando o ritmo, chamando a dança…
Vem de longe, a chama do abraço.

Na plasticidade dos dias escorreitos,
fervem-me líricos espasmos,
eflúvios de palavras fogosas
pluviosidade fora de tempo…
Quando em ti me cerras o peito.

OF (Odete Ferreira) - 24-05-17 

20 comentários:

  1. Nossa vivência é repleta de eflúvios amorosos. Felizes somos quando podemos aconchegá-los.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Quem dera saber comentar este poema como merece.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. À tona os pergaminhos
    no mais íntimo da pele
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Poema de grande qualidade minha amiga e faço minhas as palavras da Elvira, "Quem dera saber comentar este poema como merece".
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  5. "que não fiquem secretos os pergaminhos", fenomenal

    ResponderEliminar
  6. Olá," Que não fiquem secretos os pergaminhos " o poema é lindo como todos os outros que escreve.
    AG

    ResponderEliminar
  7. Um poema muito belo, Odete, com o seu lado mais leve, delicado e etéreo... que tão bem se harmoniza, com a imagem escolhida...
    Junto-me aos demais... "quem me dera comentar este poema como merece"...
    Beijinhos! Desejando-lhe a continuação de uma óptima semana...
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Um poema tão belo este, amiga, tão belo....

    Abraço forte

    ResponderEliminar
  9. É no acto de te ler,
    que sinto quanto me falta
    se te quisesse escrever!...

    Pois quando a gente lê
    quem escreve
    o que fica entre a alma de quem sente
    e o sentido de quem lê,
    é que vê, claramente,
    pelo bater do coração,
    qual é a gente que sente...
    Quem é profundo ou quem não.

    E, assim, é evidente,
    a gente vê quem é gente
    pelo bater do coração!

    ResponderEliminar
  10. Há pluviosidades que nunca são fora do tempo...
    Um poema brilhante, parabéns.
    Odete, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Sou mais uma que afirma ser tão belo seu poema que não tenho como comentá-lo devidamente . Parabéns mais uma vez , minha amiga e obrigada pela generosa partilha . Beijos e boa semana .

    ResponderEliminar

  12. Muitas vezes os dias nos parecem lentos
    E as flores não mostram a plena cor
    Então, bloqueamos nossos pensamentos
    Para um mundo que parece sedutor.

    Que não fiquem secretos os pergaminhos,
    Testemunhos silenes de amores humanos
    Cumpramos as etapas dos nosso caminhos
    Antes que cheguem os inelutáveis anos.

    Envolvamos a humanidade nos braços
    Da mais entrosada aproximação estreita
    Que nos incluam em envolventes laços

    De maneira a sermos todos da mesma seita
    Neste Planeta de sentimentos escassos
    Onde nenhuma coisa nos parece perfeita.

    ResponderEliminar
  13. Bom dia, Odete.
    Que encantador poema.
    O abraço é um dos atos mais lindos da existência do amor.
    Quisera que fossem mais distribuídos.
    Perfeito.
    Parabéns.
    Tenha uma excelente semana.
    Beijos na alma.

    ResponderEliminar
  14. Os amantes também se violam

    ResponderEliminar
  15. Passando por aqui para ver as novidades e dou com essa pérola! Lindo!
    Beijo, Odete, uma ótima semana pra você.

    ResponderEliminar
  16. Não há a primavera. Há primaveras com a graciosidade da tua pintura, com a alegria da luminosidade que fica.
    Também fiquei encantada contigo!
    Por isso, um ABRAÇO!

    ResponderEliminar
  17. Amigos e amigas: estou uns dias de férias, logo um pouco ausente; posso até visitar algum blogue, nas sem regularidade e, por vezes, com problemas de ligação à NET.

    ResponderEliminar
  18. "Vem de longe, a chama do abraço", mas ficaste inquieta...
    Adorei o poema.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Este caminho elegante, sedutor, original e com um
    lirismo cativante que a poesia traduz sentimentos
    e ao mesmo tempo, expressa-se numa "erudição" terna,
    chama-se a poética da Odete Ferreira.
    Uma amiga no caminho da escrita que criamos
    laços de afetos neste comungar a arte da Poesia.
    Um privilégio a leitura da tua arte poética, minha amiga.
    A imagem escolhida perfeita para este grandioso poema.
    Bjos.

    ResponderEliminar
  20. Um aroma e um bálsamo chegam até mim na cadência dos teus versos, querida Odete. Paz e tranquilidade se moldam e é tão fácil distinguir os sons do antanho, levando-nos na volúpia da lenta sucessão dos dias e das noites.

    Desejo-te boas férias, minha Amiga.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar