sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Mulher-dor


Penduravas nas cordas a íntima roupa,
como oferenda a um deus redentor.
Ia-se o lamento na levada do sol. Uma benção!
Tal como os frutos dados ao sequeiro,
para mitigar as fomes do longo inverno;

o inverno que te caiava o rosto,
fazia tempo; o tempo que te ressecara o viço,
te revirgindara no preto da íntima pele.
Culpavas o fumo do lacrimejamento
que te inflamava os olhos verdes,
já apequenados e secos de gente.

E era fumeiro, em pleno verão;
do bulício do regato fizeste retratos imprecisos.
Que mastigas, chamando
a saliva que te desfaz o carolo de pão.
No teu rosto, mulher-dor, só vejo camas de espera.
Onde te deitas. Há muito, só!

Odete Costa Ferreira, 11-10-17

Obra Edvard Munch

15 comentários:

  1. Um excelente poema amiga. Um retrato de solidão divinamente pintado.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Belo poema, Odete, a solidão é toda uma dor tão grande que não suportamos na maioria das vezes. E dá lugar a uma grande depressão.
    Um beijo, uma feliz semana.

    ResponderEliminar
  3. Intenso poema. Ha sido una lectura muy gtrata. Un abrazo y una feliz semana. Franziska

    ResponderEliminar
  4. poema que se entranha.
    como o luto e as dores das mulheres vestidas de negro

    enorme teu poema, Odete

    beijo, minha amiga














    ResponderEliminar
  5. A solidão de tantas mulheres à míngua de tudo, fragilizadas nos afectos, tão próximas da violência que espanta como se aguentam...
    Um poema excelente, Odete. Comovente, até.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Odete, à medida que ia descendo, verso a verso, estrofe a estrofe, um nevoento fumo queimou-me os olhos.
    Emocionei-me.

    Há tempos que não pico o ponto por aqui. Andei, ando com o coração em bola das.

    Bj.

    ResponderEliminar
  7. Excelente texto poético, primorosamente urdido, onde falas
    com a dureza necessária da solidão em tempo de declínio e
    escassez...
    Realista, tocante, impecável.
    Grande abraço, Odete.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  8. Olá, como sempre acontece por aqui, a partilha poética é maravilhosa, a mesma foca a realidade de muitas pessoas, que infelizmente vivem a má solidão.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  9. Não é raro que à velhice se junte a solidão. É assim a vida, infelizmente.
    Os meus aplausos pela excelência do poema.
    Bom fim de semana, amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Um poema excelente a desnudar a dor das mulheres
    fortes viúvas, a ritualizar a cultura enraizada
    na história de vida...
    A solidão destas mulheres que construíram a
    estrutura familiar numa dignidade exemplar.
    Muita bela a tua homenagem, querida Poeta.
    Viajei neste teu excelente poema com a música
    do Chico Buarque em "Mulheres de Atena".
    Encontrei a mesma profundidade e beleza...
    Saudades de ti, Odete!
    Meus votos que tu esteja bem no toque da felicidade!...rss
    Bjos.

    ResponderEliminar
  11. A amargura e a solidão cantada neste belíssimo poema. Já tinha saudades de te ler amiga Odete. Aos poucos vou tentando voltar. Boa semana e beijos com carinho

    ResponderEliminar
  12. Oi, Odete!
    Você se supera a cada poema! Que saudades daqui!! A escolha desse trabalho de Edvard Munch ilustrou deveras seu poema! A melancolia é dor mais profunda que a triste depressão. Entra como uma lâmina fina e longa penetrando a alma e sugando seu viço. Há de existir redenção!!
    Beijus no coração!!

    ResponderEliminar
  13. Mulher-dor, que já deu amor, e a solidão sabe de cor...
    Apesar das cores, um retrato bem actual, Odete.


    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  14. Amigos e amigas,
    impõe-se, nesta publicação, uma breve nota: todas as leituras que foram feitas são pertinentes e cabem muito bem no poema. Subscrevo-as e fico-vos grata. Contudo, quero partilhar convosco a sua matriz: através da personificação da mulher-dor, há o profundo lamento do isolamento a que as terras do interior estão votadas. E a tragédia dos incêndios, não se dissocia desta dolorosa realidade.
    Estive, estivemos, estamos e estaremos em luto.
    Abraço-vos

    ResponderEliminar