terça-feira, 28 de novembro de 2017

Meu corpo de água, meu amigo!


Meu corpo de água, minha pele, meu alimento, respiração e inspiração. E ais de lamento, se te palpo o corpo emagrecido. Contra os céus, não posso revoltar-me. Contra os desmandos dos homens, não meço forças, salvo uns insignificantes versos ou dedos de prosa que espalho por aí. Contra os hábitos de desperdício, há muito que ganhei a batalha. Penso mesmo que, desde que me conheço como pessoa de direitos mas, sobretudo, de deveres. Vem de longe o meu amor desinteressado. Tanto que trago o teu corpo no meu…
Trajam de verde, os meus gestos e as palavras que, colocadas num sopro de verdade e guardiãs do teu corpo de água, repreendem, severamente, a indiferença de outros…
Maldigo a semântica que fez uso da crença na tua eternidade, como se de uma vingança se tratasse, perante a perenidade dos homens. Egoísmo atroz. Desamor. Assassinato de emoções e sensações. Privação da condição primeira da sobrevivência do que é ser humano: o imaginário direto, vivido olhos nos olhos e legado na manifestação artística. O meu neto já não poderá atestar do remanso de que lhe falarei, nem das cores vivas, sem manchas, nem dos cheiros frescos, impolutos…
Meu amigo, meu corpo de água! Prometo continuar a não te falhar. Prometo não deixar que o teu corpo emagrecido continue a definhar pela incúria dos teus falsos amigos. Que se escudam em discursos palavrosos, nos exatos momentos da incidência das luzes nas suas bocas imperfeitas. Pois que, perfeitas, são as bocas que te beijam…

Odete Costa Ferreira (texto e foto) - 20-11-17

17 comentários:

  1. Nota sobre a minha assiduidade nos blogues:
    1-Não podendo mantê-la, espacei as minhas publicações mas continuei a estar bastante presente nas dos amigos e amigas, até há cerca de um mês.
    2-Tendo acontecido uma histórica viragem nas autárquicas, em Mirandela, estou mais implicada em termos cívicos, apesar de não ter nenhum cargo autárquico.
    3-Tendo sido instada para o desafio de integrar um projeto concorrente à direcão da Academia de Letras de Trás-os-Montes (ALTM), que saiu ganhador (mandato de 2017/2020), o tempo que tinha para os blogues, foi e está a ser transferido para a execução do plano de ação a que nos propusemos. Deixo o link do blogue da ALTM, se algum dos amigos o quiser seguir (http://altm-academiadeletrasdetrasosmontes.blogspot.pt/).
    4-Em suma: continuarei a espaçar as minhas publicações e a estar menos presente nas dos amigos e amigas, não podendo, também, comentá-las nos termos em que, habitualmente, o fazia.
    Não sei quando poderei retomar a normalidade, amigos e amigas. Há tanto chamamento! E o meu menino lindo, com as covinhas da avó, fará dia 2, 11 meses!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  2. Como gostei do teu texto, Odete! Uma homenagem ao rio(?), com preocupações ambientais e ecológicas. O teu neto vai saber do teu desvelo para reverter a situação que se vai agravando se nada for feito. Que, no milagre das manhãs, haja sempre um rio para nos purificar a sede...
    Comentarei sempre que aqui vieres com o tempo que tiveres...
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  3. La escasez de agua y el maltrato que se da a los ríos es una tragedia colectiva que está afectando ya en los paises situados al Sur y es triste que no le prestemos atención a un problema que ya está creando serios problemas y que aún los generará mças a medida que avancemos en el cambio climático. Nuestra sociedad actual está derrochando el agua. Deberíamos pensarlo antes de beber una cerveza pues estamos consumiendo siete veces la cantidad de agua.

    Creo que hay cosas que hay que denunciar y desde luego nunca debemos darnos por vencidos. Ha sido un tema muy interesante.

    Un abrazo. Franziska

    ResponderEliminar
  4. A água é fonte da vida. Sem ela as coisas complicam-se e muito.
    Um texto profundo e inquietante. Parabéns.
    Aparece e publica quando puderes, pois há mais vida para além dos blogues...
    Bom fim de semana, amiga Odete.
    Beijo (extensivo ao teu neto).

    ResponderEliminar
  5. magnifico texto, Odete.
    quando o rio se faz corpo "ressuscita" em tuas veias - a melhor garantia que está salvo!

    beijo, amiga.

    ResponderEliminar
  6. Um texto maravilhoso, um autêntico canto ao rio à água á natureza. Uma prosa prenhe de poesia.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Belíssimo esse acto de dar à luz, Odete. Na cultura e na arte de ser avó.
    As maiores felicidades, na certeza certinha: vou teimar em passar por aqui. Se houver e quando houver, não interessa.
    Bj.

    ResponderEliminar
  8. Não te preocupes em comentar, Odete, escreva por aqui, mesmo. Belo texto sobre esse fantástico e único tesouro que nos preocupa.
    Um beijo pra você, o netinho com 11 meses? Tempo voa...

    ResponderEliminar
  9. Querida Odete,

    Belíssimo e encantador texto, com este teu caminhar
    original com as palavras na excelência expressiva,
    vai além, quando nos convida na emoção de participar
    desta consciência responsável e amorosa com o nosso
    Planeta água que morre cada dia...

    Quanto a disponibilidade, eu compreendo totalmente e
    me encontro assim também. Sempre que tu possas, deixa
    a tua poética registrada aqui para as nossas leituras,
    tu sabes que eu adoro este teu espaço e este afeto de
    amizade nas partilhas dos nossos blogs irmãos da poesia
    e literatura!...rss
    Dias felizes e inspiradores para ti e família!
    Beijinho no Ivo e para ti!

    ResponderEliminar
  10. Querida Odete

    Estou contigo neste teu desejo de estar presente na resolução dos assuntos que mais interessam à tua comunidade. Seja na preservação dos cursos de água, seja na preservação das florestas, em temas de carácter social, no respeito pelo ser humano. A hora é agora, tu viste-a bem, é esse o teu sentir.

    E quando puderes e se puderes cá estaremos para nos embrenharmos na tua escrita que nos traz sempre algo de novo e positivo.

    Até sempre.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  11. Odete,
    Em relação ao que escreves, com toda a pertinência dum ser experiente e com a adequada dose de sabedoria, acrescentarei que a vida, a verdadeira vida, começa para lá da vertigem da perfeição das bocas que beijam, num eterno desafio de almejar a harmonia para a vida que se deseja. É um desafio e pêras, ó se é!
    Tens andado arredia, mas isso não obsta ao apreço que tenho por ti. Era o que faltava!
    (O teu neto, já me apercebi, é como um novo sol)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. De facto... é uma pesada herança, que a inconsciência do passado... deixará para as futuras gerações... um mundo carregado de culpa... e consequências...
    Um texto formidável, que nos faz reflectir... sobre um futuro... de qualidade bem inferior, em termos ambientais, relativamente à que temos no presente... e que deixaremos de presente... a uma geração inocente...
    Mais um texto de excepcional qualidade, Odete!
    Beijinho! Aproveitando, desde já, para deixar os meus votos de Festas Felizes, para todos aí desse lado, visto nos próximos dias, também andar menos presente na Net... e pela minha parte... continuarei sempre aqui a vir espreitar estes belíssimos trabalhos, independentemente de poder ou não visitar o meu espaço, Odete!... Nem se preocupe, com isso!
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderEliminar
  13. Amiga,
    O teu texto é uma maravilha!
    Os netos levam-nos a ver o mundo sob uma perspectiva completamente diferente da anterior... certo? Passamos a ver com muito mais clareza, tanto o que há de bom como o que está errado.

    Desejo as maiores felicidades para todos esses empreendimentos em que te encontras envolvida.
    Terei o maior prazer em receber-te na minha "CASA", como sempre... mas entendo perfeitamente que os chamamentos são muitos e mais urgentes.
    Trata dos teus assuntos, que os blogs não fogem e os amigos não te esquecem.
    Vou agora ver o link que indicas.

    Um grande beijinho para o Ivo, com parabéns (atrasados) pelos 11 mesinhos.

    Votos de BOAS FESTAS e feliz Natal.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  14. Quisiera ser capaz de transmitir con mis palabras la hondura de mis mejores deseos para que la felicidad sea una realidad en vuestra vida:en estas Navidades y en el año que está a punto de llegar.

    Voy a tomarme algún tiempo de descanso y es por esa razón que no llegarán mis comentarios a vuestros blogs. En cuanto me sea posible, retornaré.

    Con el afecto y la cordialidad de siempre, repito:

    ¡Feliz Navidad y que el Año Nuevo os colme a todos de paz, amor y libertad!

    ResponderEliminar
  15. Vim rever o Tua... Rssss...
    Na verdade tenho saudades...

    Um excelente Natal para ti e tua família...
    Beijinhos, também para o teu bebé.
    Paz, calor e odor de pinheirinho.
    ~~~ Grande abraço ~~~

    ResponderEliminar
  16. Deixo o meu carinho nos votos de
    um Natal abençoado junto com a
    tua família (especial com o querido
    Ivo. ..) e 2018 repleto de sonhos
    e realizações!
    Agradeço a nossa partilha de amizade
    entre nossos blogs.
    Sempre um prazer a leitura aqui e
    acompanhar a tua arte poética...
    Beijo e Abraço de Paz, minha amiga!

    ResponderEliminar