sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Há neste outono um luto diferente


Há neste outono algo que me cega.
Há neste outono algo que me ilumina.
A cegueira dos incautos.
A luz dos esperançados.
Há neste outono uma noite que se tarda no dia.

Ainda não te sinto.
Os verdes são primavera.
Os amarelos são verão.
Os negros focos de escuridão.
Incêndios que morreram na tua mão.

Onde morarão as telas outonais,
os vestidos que vestem a estação,
as brisas que acolhem teus ais,
as manhãs que nascem tímidas
e as noites precoces de solidão?

Ainda não te pertenço.
Ainda me quero viva.
Ainda não adormeço.
Mesmo que o sol pardacento
me convide a um estar sonolento.

(Há neste outono um luto diferente…)

OF  - 25-09-2013


(Hoje já choveu...O outono parece que se anunciou. Mas não aquele de que gosto...)

4 comentários:

  1. Minha querida

    Hoje passando para dizer que estou a ser entrevistada no RECANTO DOS AUTORES, será um prazer a tua visita. Deixo o Link:

    http://recantodosautores.blogspot.pt/

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Rosa, já li e comentei noutro espaço. Adorei e não fiquei surpreendida com as suas respostas. Como a leio, a entrevista plasma o seu natural sentir de alma poética...
      BJO, também com carinho :)

      Eliminar
  2. Por aqui iniciou-se uma primavera das mais estranhas...dias de muito sol, mais parecendo verão, outros nebulosos com pancadas de chuva de um inverno que não tivemos...enfim, são as estações, ultimamente, indefinidas!
    Beijuuss Odete

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, Rê, neste poema há algumas referências que não só de tempo atmosférico. Era altura de eleições autárquicas por isso havia algo nas entrelinhas (grave crise social, muitos incêndios, enfim, mais luto do que vida...).
      Bjuzz, querida :)

      Eliminar