quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Tempo que fica



Passeio os dias pela macieza do afeto,
num apetite voraz de sabor
a tempo que fica.
Como comensal na mesa de iguarias irrepetíveis.
Humanos risos, humanas mãos
que se tocam no burburinho dos talheres.
Que conversam. Entre-os-dentes.
Demorando-se na boca, na degustação das palavras.
Estaladiças, fogosas, vermelhas de paixão.
Num desnudamento vestido de cores.
De frutos. De mim. E de céu.
Que se compraz no desenho de olhos
em dedos ávidos de fugas.
Para dentro das raízes que somos.
Que se veem. Nas têmporas já maduras.
E nas histórias cheias de enredos.

(Odete Costa Ferreira) - 24-08-17
Obra de Josefa de Óbidos
(Passarei a incluir o apelido Costa nas minhas publicações)

18 comentários:

  1. Linda mesa, linda obra de arte ou bela natureza morta? Eis o Natal bem vivo como recordação que na Europa neva e aqui é no verão, mas em todos os corações cristãos, é Natal apenas, de mesa farta e de festas. O quadro diz tudo, mas o poema o engalana? Não! O quadro complementa as maravilhosas palavras poéticas. Parabéns Odete pela bela postagem! Obrigado pela partilha. Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderEliminar
  2. Um momento de reflexão intimista, de ternura e paixão! Poema significante!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Os afetos são o cimento da vida.
    E que bem cantados aqui foram neste excelente poema.
    Gostei imenso.
    Continuação de boa semana, amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Um tempo melhor, que passa, que fica...
    Aplaudo o teu belíssimo poema que sabe a hino de felicidade.
    Carinhos e ternuras sintonizadas numa paixão em idade madura,
    é puro enlevo e deleite.
    E maravilha é o que escreveste, prezada Amiga.
    Continuação de um fim de veráo muito especial.
    ~~~ Grande abraço ~~~

    ResponderEliminar
  5. Se houver alguma coisa para ficar na nossa memória, e na memória daqueles que amamos são os afetos, os sentimentos regados diariamente de carinho, de reconhecimento, de solidariedade e de amor. Poema forte e de linda expressão, como sempre, Odete!
    Beijo, querida, um ótimo fim de semana que está chegando.

    ResponderEliminar
  6. Bom dia, o melhor meio de comunicação são com afetos, na minha opinião, este contribuem enormemente para o bem estar e uma maior aproximação.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
  7. Os enredos da memória tão cheia de afectos. Uma realidade que perpetua os sonhos. As mãos sempre suspensas de um aceno...
    Magnífico o teu poema, Odete!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. OI ODETE!
    SÓ O QUE PERMANECE VIVO EM NOSSA MEMÓRIA SÃO OS SENTIMENTOS VERDADEIROS E O AFETO QUE CONTAGIA, COMO TEU TEXTO, ENCANTADOR AMIGA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Que tem afectos é uma pessoa com riqueza.

    Beijinhos e sonhos bons, amiga

    ResponderEliminar
  10. Querida Odete

    Fiquei presa nestes versos:"Que conversam.Entre-os-dentes./Demorando-se na boca, na degustação das palavras.", distanciando-se do seu contrário "entre-dentes". :) Aliás, todo o poema é um hino, como bem disse um dos comentadores, um hino ao convívio, aos afectos, à família, aos amigos. À volta de uma mesa acontecem coisas belas. Aqui também se trata de um outro alimento, que se baseia no amor e na amizade.

    Adorei, minha querida. Tens o talento de saber dizer as coisas de uma forma sublime e de as escrever.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  11. Odete, os afetos nos fazem bem viver . Lindas palavras recheadas da delicadeza que lhe é peculiar , Agradeço sempre a generosa partilha . Beijos

    ResponderEliminar
  12. Olá amiga!
    Minha visita hoje é para lhe trazer um pouco de carinho, deixar meu abraço, me desculpando por não comentar sua maravilhosa postagem. Hoje o reumatismo atacou minha coluna, estou péssima para escrever. Vou seguindo a vida, um dia sorrindo outro dia mais tensa, o importante é estar viva.
    Lhe desejo um fim de semana de muita paz, saúde e felicidade. Deixo esse pensamento do Padre Fábio de Melo,
    “A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.
    Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existência as mais diversas formas de sementes...”
    Abraços, permanece com Deus.

    ResponderEliminar
  13. Por vezes, quantas vezes, mesa cheia , palavras fartas, sorrisos na espuma das sobremesas, e longe, muito longe, a música dos talheres é o ritmo que vai marcando o compasso do tempo.
    Como sempre, Odete, belíssimo!
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  14. Poema lindo, amiga!!

    A palavra a expressar na (tua) melodia poética,
    as raízes do Ser no melhor tempo, espelhado
    nos afetos.
    Bjos.

    ResponderEliminar
  15. Acima de tudo, um hino à vida. É tudo o que precisamos.

    Um abraço, amiga transportadora de energias positivas.

    ResponderEliminar
  16. "Nas têmporas já maduras" escrito está um poemas maior. Os afectos vermelhos de romã fazem-se presentes à mesa dos dias felizes.
    Parabéns.
    Bj.

    ResponderEliminar