segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Amores de domingo...

Amores. Sim! Porque não?
Mesmo que não se durma mais, estamos mais despreocupados com as horas...
Mesmo que se faça um almoço "melhorado", é mais vagaroso (não foi o meu caso, mas alguém o fez)...
Mesmo que não se faça tudo o que pensáramos, fez-se o que foi possível...
Sorrimos mais? Até pode ser que não, mas o domingo sorriu-nos e presenteou-nos com mais um dia...
Um pouco mais de leitura, um pouco mais de conversas soltas ou desabafos...
Uns rostos que se tornam presentes, ainda que ausentes...
Um pouco de trabalho - teve de ser...
E...Cada um poderia (e poderá) prosseguir a enumeração...
Da minha parte, acrescento que iniciei a leitura de um romance que comprei há dias (há muitos em lista de espera, mas este autor tem-me sido tão recomendado que aguçou o apetite).

E não resisto a transcrever algumas frases, porque me revejo nelas, no que à postura de futuro diz respeito...

"O que eu, sem saber explicá-lo, não compreendia e invejava, não era o que ele queria ser, mas a constância do seu desejo. Desde que nos conhecíamos, e o mesmo é dizer desde o berço, o Gato só sonhava em ser correio. (...)
Eu admirava e tinha inveja daquela firmeza, porque os meus sonhos eram inseguros e de tão curta dura que nem sequer os poderia comparar às folhas que o vento arrasta. (...)
(Página 15, A  Amante Holandesa de J. Rentes de Carvalho)

Ora aí está! Enquanto que uma personagem se revelava acomodada, a outra era já um turbilhão, apesar da sua tenra idade...E é assim, de almas inquietas que a Humanidade é humana...
Amores de domingo, pois então!
http://www.worldartfriends.com/pt/club/prosa/amores-de-domingo

7 comentários:

  1. Pois então!:))
    O meu domingo também foi de amores, bem revelados, aliás, nos dois posts de hoje.:)
    Acho, contudo, que a ânsia de ter tudo perfeito (e a obrigação, pelo receio que aconteçam imprevistos- e não é que aconteceram? Diogo novamente com tosse)levaram-me à exaustão.
    Agora, é esperar que o Pai Natal, a quem já fiz alguns pedidos, me conceda o desta noite...e durma bem.:))

    Ah...A Amante Holandesa! Não te esqueças que no Natal trocamos.:))

    mil beijinhos, princesa linda!

    ResponderEliminar
  2. Olá, pikena...Estava a ver que ainda não era hoje que mudava o figurino do blogue (o teste de ser acabado!)
    Já dei uma espreitadela, se não comentar hoje, será amanhã...
    Espero conseguir ler a tempo para trocar...
    Pior é o pirralho, de facto. As melhoras, de coração!
    O descanso possível, querida! Bjos

    ResponderEliminar
  3. Corrijo: (o teste tinha de ...)

    ResponderEliminar
  4. Boa ideia escreveres sobre amores de domingo. É o dia em que o sentir se espreguiça ...
    Boa ideia também partilhares as tuas leituras, dá vontade de dar uma espreitadela no livro.
    Este também anda aqui na minha mesinha de cabeceira:
    " A imperfeição facilitava a tarefa de nunca aprofundar a relação, de nunca abordar algo de que necessitaria de um vocabulário intrincado, porém ela sentia sempre ternura ao ver o rosto caprichoso dele, ao ouvi-lo regatear no mercado; sentia orgulho em viver com um homem tão difícil que, não obstante,se dirigia a ela com afecto..." (In A Herança do Vazio, de Kiran Desai)
    Como a poesia penetra no bulício da vida! É maravilhosa esta capacidade de perceber o sentimento!
    Bjuzz amiga.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
  5. Olá, amiga...
    Gosto de conferir novos sentidos semânticos a palavras que estão conotadas com um determinado cenário, caso de amor/amores...
    Obg, pela tua presença e partilha (infelizmente o meu tempo para leituras é ínfimo; mesmo os poemas aguardam vez para o formato digital...)
    Bjuzzz, Teresa :)

    ResponderEliminar
  6. Continuas toda tu. A finura do traço com que te devolves ao mundo onde moram os nossos sentidos...

    (o inserir aqui um nome, "nick" ou "avatar", qualquer que seja... fará com que eu deixe de ser rotulado como anónimo? Ok..., seja! Daniel)

    ResponderEliminar
  7. Obg, anónimo...Daniel, seja!
    Os cinco sentidos e os sentidos que conferimos às palavras são a maior riqueza que possuímos para estar neste mundo...Nesta unicidade, somos, pertencemos ou pertencemo-nos...Ao mundo, talvez, mas sim a muitas pessoas que nele moram...
    :)

    ResponderEliminar