sexta-feira, 17 de março de 2017

Também moro nos olhos das paredes


Também moro nos olhos das paredes
de musgo a adormecer as pálpebras,
sonos profundos como nas histórias de encantar,
onde os finais desenham sorrisos felizes.

Os suspiros, meros sopros de primavera,
bebi-os na liberdade das fontes
e na igualdade das sedes.

Mas há olhos nas paredes
que sofrem invernos de gelos,
pedras de ódio no arremesso da raiva
e o musgo, que seria cama de nascimentos,
vai na enxurrada das tempestades.

Também há dias bonitos nos olhos das paredes
e luas a escreverem poemas líricos e idílicos
quando o amor é apenas amor.

Por isso, os olhos das paredes se atalaiam
no impedimento de vagas de cimento.

É preciso deixar abertos os olhos das paredes.
Onde moram olhos. Para lá dos meus.

OF (Odete Ferreira) – 16-11-16
Arte de Tal Peleg 

23 comentários:

  1. Que lindo........ Beijinho e desejo-lhe um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Intenso e muito belo.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  3. Minhas paredes... Nossas paredes... são nossas cúmplices e testemunhas...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. As paredes e a intimidade
    São visão e sentido da vida.
    Os silêncios e cumplicidade
    São guardados no Altar dessa Ermida.


    Beijo
    SOL


    PS: Têm havido problemas de linkagem. O redireccionamento ia-me remetendo para uma postagem fixa, como sendo a pág inicial.
    A Google não tem ajudado.


    ResponderEliminar
  5. Bonito, sim senhora!
    Kis :=}
    BFSEMANA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Odete, velha amiga não te conhecia com o teu verdadeiro "eu". Percebes?
      É através de um linque que aqui chego. Pois que eu tbm andei perdida...A gozar a vida não quer dizer que agora não a goze.
      É diz-me que é feito da outra nossa amiga?
      Nunca mais me cruzei com ela nem pelo outro meio que me deste, sabes quem?
      Kis :=}

      Eliminar
  6. De olhos fechados também se vê
    mas para lutar é bom tê-los abertos
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Paredes já não são mais barreiras. Muito bonito, poema elegante e intenso!
    Beijo, querida, uma ótimo fds.

    ResponderEliminar
  8. Odete,

    admirável talento o teu para poderes dizer num simples poema (embora belíssimo) o que milhares de palavras e enormes resmas de livros têm escrito, sem êxito assinalável.

    ou seja, a alienação da sociedade moderna, encharcada de imagens e signos que nos "aprisionam" e a urgência em derrubar os muros (de cimento) da cegueira colectiva - vendo para além de nosso olhos!

    tiro meu chapéu (que não uso rss)

    beijo

    ResponderEliminar
  9. Se o nosso amigo Manuel Veiga ( também com uma admirável poesia) me permite , faço meu o seu comentário.

    Abraço para ti e para ele :)

    ResponderEliminar
  10. O amigo Manuel Veiga pôs de uma for admirável em palavras o que eu penso do poema e eu não seria capaz de me exprimir com tamanha sabedoria.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  11. Boa tarde, depois de ler o belo poema, não tenho duvidas que, "Também há dias bonitos nos olhos das paredes".
    AG

    ResponderEliminar
  12. Belo poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  13. A tua poética tem estampada o teu gosto pela linguística , querida amiga !
    As palavras e seu subterfúgios são brinquedos no teu imaginário . E desenrolas as conotações num desfile pleno de sensibilidade e oportunidade .
    Agora , tantas paredes , outros tantos olhos e tantas leituras !
    Beijinho 😘

    ResponderEliminar
  14. A imagética deste teu poema vai muito mais além dos olhas nas paredes. O poema derruba as paredes e desafia as palavras a desenharem, mesmo que lentamente, o protesto pelos "que sofrem invernos de gelos, pedras de ódio no arremesso da raiva". Pelas tuas paredes corre o brilho aguado do olhar...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. Amiga, quando eu penso que os poetas já não me podem surpreender mais, fico deslumbrada com esta imensa e inteligente metáfora que compara o verdadeiro e real eu poético, despido de qualquer condicionamento, à observação de olhos nas paredes...
    Olhos que nunca enganam e são o consciente ético... admirável imagética!
    Foi uma ideia genial, que fez este poema único e inesquecível.
    Parabéns, Poeta.
    Beijinhos.
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  16. Fenomenal! Uma palavra que cabe perfeitamente, beijos

    ResponderEliminar
  17. Do mesmo modo que têm ouvidos... têm olhos também, as paredes.
    Que vêem para além do que é visível a olho nu...
    E te inspirarem neste excelente poema.
    Tu tens um enorme dom para "brincar" com as palavras, dominá-las, levá-las para o ponto exacto que desejas.
    O resultado está à vista - um poema diferente, único, que não nega a origem - uma poetisa de grande porte!!!

    Re: Eu também gosto muito de chapéus, e muitas vezes digo para a minha filha que tenho pena que não se use como antigamente, quando eu era criança, em que uma senhora não ia à rua sem chapéu...

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  18. Minha gratidão pelas palavras de carinho no meu blog e por sua honrosa visita. Encantado com sua pachorra em buscar saber desta terra que tomei por ama-seca e que é maravilhosa a despeito da minha suspeição, por tanto amá-la, ao afirmar isso, mas é uma Ilha singular, tanto do ponto de vista da geografia física quanto humana. Foi colonizada por portugueses, com um acréscimo populacional de mais portugueses açorianos e miscigenada por uma grande colônia grega, depois germânicos e italianos chegaram - mix perfeito para a alegria, misticismo, austeridade, cordialidade de um povo que pouco a pouco vai sendo agregado, por outras gentes a descaracterizar o genuíno vinho, que ainda é bom. À distância, eu ergo a você a taça, num brinde suposto por comungar com a beleza dela comigo no dia do aniversário da Ilha. Saúde, Odete Ferreira / Neste dia de homenagem / À Ilha e à sua imagem / De estrela verdadeira. / Portuguesa ou brasileira / Esta Ilha tem à margem / Por divina molecagem / Ser a décima ou a primeira / Do Arquipélago Açoriano /
    Se distante, é por engano / Da suposta geografia / Que o Criador Soberano / Quis dar um ar mais humano / Ao sul do mundo, e a envia. Laerte. Grande abraço. Parabéns por sua postagem linda. Gosto muito de seus poemas: Se as paredes têm ouvidos / Por que não olhos também? No seu poema, olhos têm / Além de outros sentidos... Minha gratidão! Tudo de bom! Cordialmente. Laerte.

    ResponderEliminar
  19. Odete , seu poema deixou a todos embevecidos .
    Muito obrigada .
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Que esses olhos, vislumbrem sempre novos horizontes...
    Muito belo Odete.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  21. Odete,
    Tens um mundo que fala contigo, que te afaga, mesmo quando esboça descontentamento.
    Gosto sempre, tu sabes.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar