quinta-feira, 2 de março de 2017

Do pensamento


Não queria amar-te tanto,
nem ter-te no miolo do meu pão,
em momentos de arrelia,
em circunstâncias pegajosas,
vermes a esventrar a terra virginal…
Amofinas-me, então. E vences.

Acodem-me, lestas, as palavras
e sou capaz de levedar o tempo,
de acomodar o espaço num único quarto.
E todos os instantes que sou
se exultam em ferventes escorrências.

Então, sim, amo-te em demasia
e afadigo-me pelos esconsos corredores da casa.
Transparente e volátil, apareço e desapareço
por entre portas suficientemente abertas,
onde me pulso, me penso e me palmilho.
Me defino e indefino. Subtilmente.

Diz-se dos contrários, o sentimento.
Mas é do complexo, o pensamento.
Árvore perene. Em si mesmo.

OF (Odete Ferreira) – 22-02-17
Obra de Anna Dittmann

21 comentários:

  1. Odete ,
    Maravilha o que escreve !
    Beijos , amiga e obrigada pela partilha tão generosa .

    ResponderEliminar
  2. No poema você esboça um amor que se doa e se recolhe... complexo como todo ato de amar... Belo!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Sublime definição das agruras de um amor intenso,
    onde brilham as rosas e magoam os espinhos...
    Um poema realista e de grande humanidade.
    A vitória é habitualmente do amor.
    Gostei muito, Odete.
    Beijo.
    ~~

    ResponderEliminar
  4. absolutamente "agarrado" pelo teu poema.
    e deixo-me ir nesse caudal, flutuando na sublime transfiguração das palavras e seu(s) sentido(s) e quando julgo dominá-los (as palavras e os sentidos) eis que nova avalanche me atira para o fragor da corrente.

    nada a fazer! o percurso da "liberdade livre" do teu belíssimo poema leva-me na onda, sem apelo nem agravo, recusando(-me) qualquer margem que não seja a sua glória de ser Poesia.

    um momento raro e belo. adorei, Odete

    Beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  5. Minha querida amiga,

    Neste teu poema obra de arte, vou me atrever a percorrer os sentires
    do caminho da tua construção excelente e original.
    Fiquei atenta ao título: "Do Pensamento" e junto com a imagem
    numa soma de simbologia a ligar ao poema...
    Senti e entendi o poema como a estrada do pensamento amoroso-paixão,
    carregado de uma intensidade de sentires, desejos e lutas de ideias (
    questionamentos...), forças opostas como uma dança "tango"...
    Nesta estrada do pensamento se processa o autoconhecimento num
    turbilhão interior e a volatilidade invisível do pensar, a definir
    e indefinir o eu numa complexidade do todo Ser!...

    Desculpa, amiga, a querer decifrar o teu imenso poema,
    porém, tão desafiante e não resisti...rss
    Nesta estrada da nossa amizade "virtual" (mas genuína...)
    e admiração, sei que tu não me interpretará invasiva.
    Tu conheces o quanto eu sou fascinada pela excelente Poesia.

    Adorei!!
    Bjos.

    ResponderEliminar
  6. Um poema de amor. Amor sublime e complexo, forte e frágil, contrário a si mesmo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Há sentimentos que por vezes nos parecem complexos. Mas, tal como o amor, o pensamento é perene (enquanto dura...).
    Excelente poema, gostei muito.
    Bom fim de semana, amiga Odete.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Uma poesia intensa e bela.
    Molda cada sentir com maestria.
    Bjinho😘

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde, o belo poema, revela enormes sentimentos bons que moram permanentemente no seu coração.
    Tenho dificuldades a chegar aqui à sua pagina, após varias tentativas consegui, talvez o problema seja meu.
    AG

    ResponderEliminar
  10. Lindo e denso poema, do começo ao fim nos apresenta momentos de muita beleza.
    Um beijo, querida amiga, sempre grata pela tua presença amiga.

    ResponderEliminar
  11. Um poema intenso, como intenso é o amor que descreve. Será a poesia uma narrativa de íntimas ficções?
    Gostei imenso, Odete.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Oi. Curti muito seu blog. Já estou seguindo!

    Vai lá?

    http://oplanetaalternativo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  13. Belo poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  14. Belissimo, gostei especialmente de "o miolo do meu pão".

    Minha amiga, terno abraço neste nosso Dia, que te desejo muito feliz!

    ResponderEliminar
  15. Como diz a Elvira e estou de acordo "amor sublime e complexo, forte e frágil, contrário a si mesmo", um belo poema.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  16. "Amar-te tanto e ver-te no meu pão"
    É um sinal divino do amor
    Representado em todo o esplendor
    Da alma e do Pão Nosso. Por que não?

    Amar assim é o auge da paixão
    Da alma e corpo e de real valor
    A iluminar o céu interior
    Do ser não alheado à condição

    De ser humano ser com o destino
    De amar e procriar por graça e tino
    Do próprio instinto do animal humano

    Feito de amor, ao amor eu me inclino
    Como a alegria astral e ao céu a pino
    Eu ergo o olhar, agradeço e me ufano.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  17. "nem ter-te no miolo do meu pão"! Só nesta imagem há um poema com sal.
    Com lágrimas (sal e água) se amassa e leveda o grande amor.
    Belíssimo, Odete.

    ResponderEliminar
  18. Vejo te lesta como o teu desenrolar poético . Em ti, tudo parece fácil mas as palavras suspendem - se na mímica das tuas metamorfoses . E nasce a ótima poesia ! Maravilha !
    Abraço Odete !

    ResponderEliminar
  19. Querida Odete

    A tua escrita tem um cunho inconfundível.Nela aparecem palavras e expressões correntes que, inseridos num ritmo todo ele intelectualidade, tomam vida e se agigantam.

    Amor, paixão, entrega. Um poema onde profundos e desencontrados sentimentos marcam encontro.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar