terça-feira, 25 de abril de 2017

Onde estavas no 25 de abril? (Final)


O 1.º de maio de 1974 foi algo que nunca se apagará. Manifestações espontâneas. Mulheres de olhos brilhantes, como se de uma emancipação coletiva se tratasse.  Jovens irmanados num sentir e num vestir muito idêntico. A minissaia, as golas, as calças à boca de sino, são adereços exteriores que, além de marcarem uma época,  conferiam  condição identitária às massas. Os comícios, as sessões de esclarecimento, ingressar em partidos como o MRPP, a LUAR e outros foi um patamar obrigatório para uma juventude que vivia a utopia, que renascia, sentindo que havia uma missão a cumprir. Ler Mao Tsé Tung e afins em pleno café… Roubar, literalmente, maquinetas policopiadoras para os panfletos de propaganda e educação dos trabalhadores. Assaltar sedes, assistir à radicalização do discurso, ver o meu irmão ainda ser levado pela polícia e assistir ao amontoado de gente junto do Tribunal pedindo a libertação dos jovens… Um pouco de tudo isto vivi e de forma ativa. Armas nunca escondi em casa mas propaganda, sim. No meio da liberdade conquistada, a clandestinidade de ações como esta e outras, fizeram-nos mulheres e homens de fortes convicções. Os próprios conteúdos universitários passavam pelo contacto com autores até aí circunscritos a uma minoria. Lembro-me de ler Althusser, na Faculdade de Letras de Lisboa, onde fiz algumas cadeiras de 1.º ano (e como tenho gratíssimas memórias desse tempo!). Até o namoro era revolucionário, pois, frequentemente, eram as cumplicidades nas ideias e ações que nos uniam. “Vemos, ouvimos e lemos” e eu acrescento, vivi intensamente um período que marcou indelevelmente a matriz do meu ser, do meu estar e, sobretudo, do meu pensar e agir. Nunca mais fui a mesma. Da luta mental passei a uma luta ativa. Fazendo, crescendo, cimentando, convencendo. Os Direitos do Homem ganharam aquele sentido já delineado na Revolução Francesa. E é ainda por eles que continuo a ser uma fiel filha do 25 de abril de 1974…

Odete Ferreira
Termina, nesta partilha, a divulgação do testemunho, publicado na Coletânea "25-04-1974", iniciado no dia 23 de abril.
Muito grata a todos os que o viveram comigo, estando presentes nas partilhas. 

15 comentários:

  1. Sempre presente nas memórias vivas

    ResponderEliminar
  2. E não vivi nada disso!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Há momentos que nos marcam para sempre...
    Conheci assim, seus momentos cidadã.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Foi realmente um período de euforia muito especial.
    em todos acreditámos numa sociedade mais equilibrada
    e justa da estamos vivendo...
    Foi muito agradável ler-te.
    Grande abraço, Odete.
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  5. Estou aqui a sorrir, para mim que estou sozinho a esta hora, depois de ler de fio a pavio este testemunho. A sorrir de ti e de mim a relembrar emoções (boas, más, sustos, correrias), o desflorar de ingenuidades, que a todos avassalaram. A percepção de um mundo bolorento e a conquista de um novo, em estado virginal, por onde nos aventurámos numa atitude pioneira e voluntariosa.
    Eu já tinha sido acometido pelo bichinho que minava pela calada, quando a revolução chegou. Lia e via coisas que não "devia". Cantava o Zeca já em 72 e 73, agarrado à viola, em encontros de amigos mais ou menos alargados; claro que havia gente que não se apercebia nem percebia da "marosca" mergulhados na santa ignorância. As coisas tinham de ser feitas com tacto...
    Soube da Revolução depois do almoço do dia 25. Estava na tropa, em Angola, num sítio que não existia - só quartel (um conjunto de barracas de madeira). O comandante chamou os graduados e comunicou-lhes:
    - Em Lisboa deu-se um golpe de estado, o Governo foi derrubado. Vamos manter-nos serenos até recebermos novas ordens.

    Que a memória seja orgânica, cresça e desassossegue os espíritos. Sempre.
    Bj.

    ResponderEliminar
  6. Querida Odete

    Foi uma viagem ao passado, um passado comum que, no entanto, cada um vê de conformidade com as suas vivências, o sítio onde se encontrava, o que estava a fazer no momento e a forma como nele se envolveu. Mas o resultado também é comum, pois vimo-nos de um momento para o outro livres e com a possibilidade de fazer coisas, "banais" e "simples" como era ler um livro, ver um filme,- porém muito importantes para o crescimento individual-, participar em manifestações de rua e em todo aquele fervilhar de ideias e de emoções, onde as ideologias marcavam presença pela primeira vez.

    Minha amiga, muito obrigada por esta partilha que muito me emocionou.

    Tudo de bom te desejo, a ti e a toda a família.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  7. Viajaste no tempo e respondes (sem esse propósito) aos meus pensamentos e personalidade.
    Não saí do caminho que a minha Formação me havia dado. Estou feliz por isso.
    ...Mas gostei de te ler.
    É um bom trabalho, Odete.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  8. Um tempo em que , ainda na faculdade e de "olhos "fechados", muita coisa se passava e , acostumada aos costumes...sentia-me insolitamente a fugir da polícia na queima das fitas. Não percebia. Tudo se fez luz com a primavera dos cravos. E os poetas e revolucionarios " que estudava acenderam luzes em mim. Cresci.
    Fenomenal testemunho, amiga Odete!
    Bjis ****

    ResponderEliminar
  9. Odete...
    Vem ao encontro de bloggers em Braga. Adorava dar-te um abraço. É domingo
    Anda e porta-te bem
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde, é uma dada histórica para quem viveu o antes, foi o 25 de Abril que me deu acesso ao que me foi negado, a mim e a milhões de pessoas, hoje ainda existe uns saudosistas do estado novo e da guerra colonial, guerra esta que serviu para enriquecer umas quantas famílias e empresas, as únicas vitimas da guerra foram os nossos soldados e as famílias destes, enquanto uns morriam, outro ficaram inválidos para toda a vida enquanto a Amália Rodrigues cantava o fado.
    Abril para melhor, sempre!
    AG

    ResponderEliminar
  11. Olá, amiga
    Depois de uns dias de ausência, primeiro por umas mini férias, depois por doença, estou regressando, devagar...
    Já me encontro melhor, terminei os antibióticos, agora é só restabelecer...

    Tempos imemoráveis esses .
    E como foram vividos intensamente!
    Lembro-me como se fosse hoje, foi um dia diferente de todos os que vivi até hoje.
    Logo às sete da manha telefonaram-me a avisar para não ir trabalhar, de modo que o dia foi passado agarrada à tv e à rádio, para saber as últimas.
    Gostei imenso da descrição que fazes, que me fez recordar esses dias tão felizes, tão cheios de euforia, tão diferentes de tudo.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  12. Também vivi plena e intensamente todo esse tempo e o primeiro 1º de Maio foi , até hoje, o mais emocionante e indelével dia da minha vida enquanto cidadã.

    Querida amiga, grato abraço pelo interessantissimo testemunho .

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  13. Oi, Odete!
    Li todo o seu testemunho de um fato que marcou a vida de todos os portugueses. Cá deste lado,em 1974, ainda vivíamos sob um regime militar, que comparados com os dias atuais, chega-se a sentir-se saudade daqueles dias! A Revolução os Cravos, creio, recolocou Portugal no caminho da Democracia, certo? Tive a oportunidade de conhecer um casal que em 1979 veio para cá, tendo deixado todos seus bens confiscados em Portugal! Não sei se havia relação com a revolução, mas, foi um ato político. Beijos e bom final de semana!

    ResponderEliminar
  14. Querida Odete,

    Grata pela partilha destes teus textos-artigos. Uma preciosidade
    de dados e teu testemunho na tua excelente narrativa.
    Que maravilha, seres uma fiel filha do 25 de Abril de 1974:
    "Da luta mental passei a uma luta ativa".
    Adorei a leitura de todos os teus textos e te parabenizo com a
    tua história.
    Beijos.

    ResponderEliminar